Sam Greenwood/Getty Images/AFP
Sam Greenwood/Getty Images/AFP

Tyler Herro, do Miami Heat, já recebeu ameaças de morte e usou papel de vilão para sua formação

Primeiro jogador nascido nos anos 2000 a jogar uma final da NBA, armador não sente o peso de ser titular contra o Los Angeles Lakers

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2020 | 08h00

A lesão de Goran Dragic abriu espaço para Tyler Herro entrar no quinteto titular do Miami Heat para o jogo 2 contra o Los Angeles Lakers. Assim o garoto de 20 anos e 256 dias superou Magic Johnson (20 anos e 264 dias) e se tornou o jogador mais jovem a começar uma final da NBA. Derrubar uma marca tão significativa não fez aumentar o peso da pressão sobre os ombros do novato. Ele entrou no papel de vilão que estava tão acostumado e, com atuações consistentes, mantém sua equipe viva para o sexto confronto da série melhor de sete neste domingo, às 20h30, em Orlando. 

Herro viveu momentos difíceis até ser escolhido na 13ª posição do Draft de 2019, ano em que quase todos os olhos - menos os de Pat Riley, presidente do Miami Heat - estava fixos em Zion Williamson. A decisão de ir estudar na Universidade de Kentucky, reconhecida pela formação de grandes jogadores, como Anthony Davis e Bam Adebayo, e rejeitar um acordo prévio com Wisconsin, onde cresceu, trouxe muita dor de cabeça.

A casa da família Herro, por diversas vezes, amanheceu com tinha spray vermelha nas paredes, no gramado e nas árvores mais próximas, que eram decoradas também com papel higiênico. Além disso, Tyler recebeu inúmeras ameaças de morte pelas redes sociais até que isso se tornou real. Certa vez, em um posto de gasolina, um homem chegou para o garoto e afirmou: "Atravesse aquela rua e espero que você seja atropelado por um caminhão."

Os torcedores de Wisconsin também iam ao ginásio com cobras de pelúcia com o rosto de Herro colado no corpo e o chamavam de traidor. Foi então que o amigo Baba Fajembola lhe deu uma sugestão: aceite o papel de vilão. E isso transformou o garoto tímido fora de quadra em um jogador voraz dentro dela. "Gosto quando as pessoas estão contra mim. Contra quem quer que eu esteja jogando, sinto que vou simplesmente matá-los", afirmou. "Vocês me odeiam agora? Vou fazê-los me odiarem ainda mais depois da partida", repetia.

Tudo fez dele o que podemos ver atualmente contra os Lakers. Ele é, por exemplo, o primeiro jogador nascido nos anos 2000 a jogar uma final da NBA, mas atua como um veterano. Nos playoffs, Herro é o único atleta do Miami Heat a pontuar pelo menos dois dígitos em cada um dos 20 jogos. As médias são de 16,4 pontos, com 40,9% nos arremessos de três pontos. O armador ostenta ainda 5, 2 rebotes e 3,6 assistências.

Não à toa, Herro se tornou um xodó do grupo. Um exemplo claro disso aconteceu durante o período de paralisação da NBA por causa da pandemia do novo coronavírus. O armador adotou um visual com dreads e, nas redes sociais, foi acusado até de apropriação da cultura negra. Todos, sem exceção, defendem o companheiro.

Nas entrevistas, só elogios. "Não há muitos jogadores que têm a oportunidade de chegar tão longe nos playoffs, jogar uma final, mas, para Tyler, parece ser só mais um dia de trabalho. Ele tem feito isso o ano inteiro, então não há pressão: só entra em quadra e joga. Estamos felizes porque sabemos do que esse garoto é capaz e como atua com confiança", afirmou Jimmy Butler.

O técnico Erik Spoelstra enalteceu o comportamento de Herro. "A ausência de medo em Tyler é incomum. Mas acho que isso vem de ser humilde o bastante para saber que é preciso trabalhar, ouvir os técnicos e veteranos do time. É claro que ele é confiante por natureza, mas, nesse nível, confiança é algo que se ganha também ao longo do tempo."

Além de quebrar o recorde de Magic Johnson, Herro derrubou uma marca de Alvin Adams, do Phoenix Suns, de 1976, e se tornou o novato como o maior número de jogos consecutivos com pontuação de dois dígitos. Ele também é agora o novato com mais bolas de três pontos na história dos playoffs.

Na série das finais da Conferência Leste com o Boston Celtics, o armador registrou outro recorde dos playoffs,  sendo o jogador mais jovem a marcar 30 pontos saindo do banco. Herro ainda ultrapassou Dwyane Wade, que fez 234 pontos em 2004, como o estreante com maior pontuação do Miami Heat em uma pós-temporada.

Por tudo isso é melhor LeBron James e companhia não brincarem com fogo. O calouro Tyler Herro vestiu o papel de vilão e está totalmente confortável para exercê-lo mais uma vez neste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.