Vargas compara Eurico a Saddam

O pivô dominicano José Vargas abandonou o Vasco por causa do atraso de salários, causado pela crise finaceira do clube. Ao deixar o clube, ele anunciou que irá se transferir para o Trotamundos, da Venezuela. Foi o quarto atleta a deixar o Vasco neste ano por não estar recebendo salários. Antes dele, a jogadora de vôlei Dulce, e as de basquete, Helena, russa, e a senegalesa Astou também deixaram o clube. Ao justificar a sua saída, Vargas comparou os ataques sofrido pelo Vasco, que o levaram a péssima situação financeira, com os sofrido pelo Iraque. Mais, fez uma analogia entre o presidente do Vasco, Eurico Miranda, e o ditador Saddam Husseim. "Destruíram o Iraque, mas não pegaram o Sadam. A perseguição ao Eurico também está afetando os três mil atletas do Vasco", desabafou. Embora a comparação possa parecer ofensiva, o jogador utilizou o argumento para defender o dirigente e o projeto olímpico do clube carioca. Vargas explicou que não vinha tendo condições de cumprir as suas obrigações por causa do atraso de salários. Desde quinta-feira, quando foi liberado pela diretoria, ele não participou mais dos treinos e jogos da equipe. Vargas era atleta do Vasco há dois anos e meio e conquistou vários títulos com a camisa do clube, entre eles, a Liga Nacional e o Bicampeonato Sul-Americano. Antes de jogar no clube, ele tinha atuado pelo Franca, do interior de São Paulo. O vice-presidente de Esportes de Quadra do Vasco, Fernando Lima, afirmou que a diretoria está fazendo o possível para sanar todos os problemas financeiros. "Enquanto isso, estamos ajudando os atletas." Garantiu que o clube tem a intenção de manter o projeto olímpico, que conta com atletas em 42 esportes diferentes. Lima atacou os dirigentes dos clubes paulistas de basquete. "Apesar de criticarem nosso projeto olímpico, não vejo ninguém tentando melhorar o basquete brasileiro", irritou-se.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.