Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
CBB
CBB

Wlamir Marques é eternizado no Hall da Fama do COB: 'Me sinto muito honrado'

Escolhido por unanimidade para entrar no seleto grupo, ex-jogador ainda foi homenageado no dia dos seus 84 anos

Redação, Estadão Conteúdo

17 de julho de 2021 | 11h08

Demorou mais que o previsto, mas finalmente o Comitê Olímpico do Brasil (COB) eternizou Wlamir Marques, astro do basquete nacional, em seu Hall da Fama. O ex-ala de 84 anos, dono de duas medalhas de bronze olímpicas e com mais de duas décadas dedicadas à seleção brasileira de basquete, cravou suas mãos em cerimônia nesta sexta-feira.

Foi um reconhecimento com comemoração em dobro, já que ocorreu justamente no dia em que Wlamir Marques comemorou o aniversário de 84 anos. Escolhido por unanimidade para entrar no Hall na Fama, o ex-atleta comemorou a bela homenagem.

"Me sinto muito honrado com essa homenagem em vida, estou muito feliz por ter sido eleito por unanimidade e pode ter certeza que se meu coração já não é muito bom, ele está balançado cada vez mais com o Brasil sempre presente", afirmou, exibindo com orgulho a placa recebida pelo COB.

"Muitas histórias já estão em livro. Queria falar da emoção de estar aqui sentado recebendo a homenagem de um campeão olímpico, meu conterrâneo. Não vejo que eu tenho futuro, tenho o hoje e hoje é um grande dia. Quero que essa homenagem seja transferida a todos aqueles atletas que estiveram ao meu lado ou contra mim", seguiu. "E aqueles que jogaram contra mim, eu tenho toda a honra de cumprimentá-los, porque eles me fizeram cada vez melhor. Peço que estendam à minha geração, a geração de ouro, que foi medalhista olímpica e campeã do mundo, a representação nesta placa, nesta homenagem que recebo hoje."

Campeão olímpico e diretor-geral do COB, o ex-judoca Rogério Sampaio foi quem teve a honra de prestar a homenagem a Wlamir Marques em nome da entidade. O ex-ala conquistou a medalha de bronze nos Jogos de 1960, em Roma, e de 1964, em Tóquio, no qual ainda foi o porta-bandeira do Brasil.

"É uma felicidade poder fazer essa homenagem ao Wlamir e sua família. É muito importante valorizar todos os títulos que ele conquistou como atleta e pela maneira que sempre levou a vida, de forma correta e íntegra", disse Rogério Sampaio. "São poucos atletas que, além de terem uma carreira vitoriosa, conseguem também com sua história inspirar outras pessoas a seguir no caminho do esporte, utilizando-o como ferramenta para divulgar os valores olímpicos de amizade, excelência, respeito. E ele conseguiu isso. Foi escolhido como um dos 10 maiores atletas da história do basquete brasileiro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.