FIBA/Divulgação
FIBA/Divulgação

Zanon diz que derrota para Espanha no Mundial 'não assusta'

Técnico da seleção feminina de basquete reconhece favoritismo espanhol e diz que inexperiência do time influencia no rendimento

Estadão Conteúdo

28 Setembro 2014 | 19h37

A seleção brasileira feminina de basquete foi atropelada pela Espanha neste domingo e caiu por 83 a 56, na segunda rodada do Mundial da Turquia. A força do adversário, considerado um dos favoritos do torneio, fez com que o placar fosse considerado comum pelo técnico Luiz Augusto Zanon, que minimizou a grande diferença no resultado final.

"O resultado contra a Espanha não me assustou, ela é uma favorita a estar na final. São jogadoras muito jovens que já tiveram uma melhora e estão disputando pela primeira vez um Mundial", declarou o comandante brasileiro.

Diante de uma das maiores potências do esporte, o Brasil começou bem, jogando de igual para igual, e inclusive terminou o primeiro tempo vencendo por 13 a 12. Para Zanon, é isto que as jogadoras precisam lembrar para a sequência do torneio, já que na terça a seleção decide uma vaga para a próxima fase diante do Japão.

"Temos que valorizar o primeiro quarto, a seleção cumpriu uma determinação e estava concentrada, mantendo a qualidade do jogo e jogando de igual para igual. Mas tivemos um segundo quarto em que alguns fatores de execução falharam. Enquanto isso, as espanholas mostraram um poderio muito forte, pegando muitos rebotes ofensivos e convertendo em cestas", analisou o treinador.

O bom momento brasileiro só foi possível porque Érika, apagada na derrota da estreia para a República Checa, começou muito bem neste domingo, anotando os seis primeiros pontos da seleção. Assim como Zanon, ela acredita que o primeiro quarto diante das espanholas mostra que o Brasil tem condições de vencer na terça e se garantir na segunda fase do Mundial.

"Começamos muito bem na partida contra a Espanha, mas elas estavam com o ataque inspirado, e com todas as bolas caindo. E isso determinou o caminho do jogo. Sabemos que hoje poderíamos ter jogado de igual para igual durante os 40 minutos, mas isso não altera o foco da nossa equipe. E amanhã já iniciar a preparação para disputar na terça a vaga com o Japão. Estamos confiantes que essa vaga será do Brasil", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.