Zanon pede controle emocional na semifinal contra Cuba

Depois de uma campanha perfeita na primeira fase da Copa América, com quatro vitórias em quatro jogos, a seleção brasileira feminina de basquete enfrentará Cuba na semifinal desta sexta-feira, quando precisa ganhar para assegurar a vaga no Mundial da Turquia, no ano que vem. Para o técnico Luiz Augusto Zanon, o time do Brasil terá que mostrar "controle emocional" para superar as cubanas.

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2013 | 19h06

"Temos que manter as situações de controle emocional, de qualidade ofensiva e defensiva, além de imprimir nosso ritmo de jogo. Se fizermos o jogo da forma delas, que é mais cadenciado e individual, podemos ter dificuldades", avaliou Zanon, que elogiou a evolução mostrada pela seleção brasileira na Copa América, mas ressaltou que é preciso manter a concentração na reta final do torneio.

"Vamos com tudo para cima delas, sempre pensando no resultado positivo e na vaga. Só pensaremos em final e título depois que passarmos pelas cubanas", avisou Zanon, que fez uma análise das adversárias. "Sabemos que Cuba é uma equipe fisicamente forte e bastante experiente, que vem com jogadoras importantes, como a armadora Gelis e as laterais Delgado e Valdes, para um jogo de vida ou morte."

As jogadoras prometem manter a concentração. "Eu acho que a equipe está com uma postura muito boa, tanto fora quanto dentro de quadra. Estamos bastante focadas, com o grupo muito fechado, e esse tem sido o nosso diferencial na competição. Temos nossos objetivos e nos unimos para ir atrás deles. Estamos no momento focadas na conquista da vaga para o Mundial", disse a pivô Damiris.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteCopa América

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.