Lucas Figueiredo/ CBF
Lucas Figueiredo/ CBF

23 clubes assinam carta sobre a Liga e avisam que não irão à reunião na CBF no dia 12

Equipes fazem exigências sobre a divisão de renda da Liga e agendam encontro para a próxima segunda-feira, no Rio; Vasco adere à Libra

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2022 | 19h06
Atualizado 09 de maio de 2022 | 19h58

O Athletico-PR divulgou, nesta segunda-feira, uma nova carta para tratar da criação da Liga Brasileira de Clubes. Ao lado de outros 22 times, os paranaenses determinam três pontos relacionados a aspectos financeiras, os quais dizem ser os melhores para o futebol brasileiro.

O primeiro diz respeito à divisão da renda: 50% igualitário, 25% pela performance esportiva e outros 25% por aspectos comerciais objetivos e mensuráveis. A proposta inicial era de 40% divido igualmente entre os times, 30% por questões esportivas e os demais 30% repartidos segundo audiência, assinatura de pay per view e engajamento nas redes sociais.

Em seguida é colocado que a diferença de receita entre o maior e o menor clube deve ser de 3,5 vezes no primeiro ano, tendo como objetivo alcançar 1,6 vezes de diferença máxima. Por fim, os times também pedem que a Série B tenha direito a 20% dos recursos advindos dos direitos de transmissão.

No mesmo comunicado, os times afirmam que não comparecerão à reunião que aconteceria na CBF na quinta-feira, dia 12, para a formalização da criação da Liga, batizada inicialmente como Libra. Eles prometem se juntar na próxima segunda-feira, dia 16, no Rio, para formalizar uma proposta.

Em uma primeira versão da carta, apareciam 30 signatários, mas depois ela foi corrigida, incluindo o América-MG e excluindo os nomes de Bahia, Grêmio, Vasco, Novorizontino, Guarani, Atlético-MG, Botafogo e Internacional.

Também ficam fora da carta os oito times que assinaram a criação da Libra (Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Santos, Red Bull Bragantino, Flamengo, Ponte Preta e Cruzeiro) e o Ituano.

VASCO ANUNCIA ADESÃO

Mais tarde, o Vasco anunciou de maneira oficial seu ingresso na Libra. O clube cruz-maltino afirma que a decisão foi tomada unanimimente por sua diretoria e envolveu a consulta à 777 Partners, que negocia a aquisição de 70% de sua SAF.

"O Vasco acredita que a implantação da linga é fundamental para o futuro do futebol brasileiro e que o diálogo será fundamental para que seja encontrado um equilíbrio que atenda aos clubes e ao futebol como um todo", escreveu o time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.