40 mil homenageiam Raí em Paris

Aproximadamente 40 mil pessoas foram neste sábado ao estádio Parque dos Príncipes, em Paris, na despedida oficial de Raí dos gramados. O brasileiro - que entre 93 e 98 brilhou no Paris Saint-Germain - colocou de um lado na despedida, um time formado por jogadores que atuaram no clube francês na década de 90 e, de outro, jogadores e ex-jogadores brasileiros. Raí jogou um tempo em cada equipe da partida que terminou empatada em 3 a 3. Pelo time brasileiro jogaram, entre outros, Sócrates, Junior, Moser, Bebeto e Dunga. Ronaldo, da Inter de Milão, esteve em Paris, mas não chegou a jogar. Na equipe do PSG dos anos 90, estavam Wheah, Ginola e Leonardo. A renda da partida foi revertida para a Fundação Gol de Letra, que presta assistência a crianças carentes no Brasil. Sócrates jogou apenas 16 minutos e tocou poucas vezes na bola. O destaque do time brasileiro, no entanto, foi Junior que só foi substituído na metade do segundo tempo. Leonardo - parceiro de Raí na fundação - jogou apenas 5 minutos. Na equipe do PSG, o principal destaque foi Wheah que imprimiu um ritmo veloz à partida desde o início. Aos 10 minutos, ele deu um drible espetacular em Moser, que ficou caído no chão e tocou na saída do goleiro Gilmar. Dois minutos depois, ele faria 2 a 0, após uma falha de Marcio Santos. Aos 25 minutos, André Cruz diminuiu para o time brasileiro, de cabeça, depois de um cruzamento de Junior. No segundo tempo, Raí foi para o time do PSG e o Brasil virou, com dois gols de Aloisio. No finalizinho, o PSG empatou com Nouma. A equipe do PSG- Anos 90 jogou com Lama; Colleter, Lobos, Roche, Le Guen, Leonardo, Weah, Ginola, Fournier, Bravo e Domi. Também jogaram: Loko, Bats, Llacer, Nouma, Luis Fernández. O time de brasileiros foi formado por Gilmar, Júnior, Sócrates, Zé Maria, Bebeto, Jorginho, Mozer, André Cruz e Dunga. Também jogaram: César, Amoroso, Anderson, Juninho, Aloisio e Alex.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.