Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

A 14 dias para a Copa do Mundo, Guerrero é liberado para defender a seleção peruana

Atacante peruano foi pego no antidoping e teve punição de 14 meses longe do futebol

Jamil Chade, correspondente/Genebra, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2018 | 09h24

O Tribunal Federal da Suíça concedeu nesta quinta-feira efeito suspensivo à decisão de suspender por 14 meses do futebol o jogador Paolo Guerrero, permitindo que ele possa ir à Copa do Mundo na Rússia.

+ Leia mais notícias sobre Paolo Guerrero

+ Tudo sobre a Copa do Mundo!

+ Após tri histórico da Liga dos Campeões, Zidane anuncia saída do Real Madrid

Atacante do Peru e do Flamengo, ele havia sido suspenso pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), depois que conseguiu uma redução importante de sua pena. 

A punição original por suposto uso de doping era de um ano, o que o deixava de fora do Mundial de 2018. Mas, depois de um recurso na própria Fifa, a pena caiu para seis meses e terminava em maio, permitindo que o jogador pudesse ir ao Mundial.

Mas, num recurso apresentado pela Agência Mundial Anti-Doping, o CAS reverteu a decisão da Fifa e aplicou uma suspensão de até 14 meses, que o tirava da Copa. Guerrero chegou a ir até a Fifa, em Zurique, para pedir uma intervenção do presidente da entidade, Gianni Infantino. Mas sem sucesso.

+ Teste seus conhecimentos sobre a Copa do Mundo

+ Confira tabela da Copa do Mundo da Rússia

Sua última cartada era sair dos tribunais esportivos e levar à corte comum, na Suíça. Guerrero, assim, solicitou que o seu caso fosse tratado apenas depois do Mundial, o que acabou também sendo aceito pelo CAS.

Num comunicado emitido em Lausanne, o presidente do Tribunal Federal “concede efeito suspensivo à título provisório ao recurso apresentado por Paolo Guerrero contra a sentença do CAS”. “Como consequência, Guerrero poderá participar da Copa do Mundo na Rússia”.

O peruano respondia à investigação por ter testado positivo para uso de benzoilecgonina, um metabólito da cocaína, em exame realizado depois do empate em 0 a 0 entre Argentina e Peru, em Buenos Aires, pela penúltima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2018, no dia 5 de outubro. Por isso, foi suspenso preventivamente pela Fifa. A principal suspeita era justamente sobre o uso de cocaína, mas o atacante garantiu que esta possibilidade já foi descartada pela entidade.

Por conta da punição, Guerrero ficou impedido de defender a seleção peruana nas duas partidas da repescagem da Copa do Mundo de 2018, diante da Nova Zelândia. Mesmo assim, o país garantiu vaga no Mundial, que seria o primeiro do atacante.

Inicialmente, a Fifa alertou que optou por uma punição e não ficou convencida de que a substância encontrada poderia vir da folha de coca. "Depois de analisar todas as circunstâncias do caso, a Comissão de Disciplina decidiu suspender Paolo Guerrero durante o período de um ano", disse um comunicado da Fifa, de dezembro. "Por ter dado positivo por uma substância proibida, o jogador violou o artigo 6 do regulamento antidoping da Fifa", explicou.

No Peru, a reviravolta do caso havia mobilizado até a presidência do país. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.