Agustin Marcarian/AP
Agustin Marcarian/AP

A Argentina e Lionel Messi podem ficar fora da Copa do Mundo?

Uma Copa sem a Argentina, e sem Messi, seria estranha

Victor Mather *, The New York Times

02 de abril de 2017 | 06h00

Faltando quatro jogos das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2018, a Argentina está em quinto lugar e só existem quatro vagas automáticas de classificação. Pior, seu astro, Lionel Messi, foi suspenso por quatro jogos por ter ofendido verbalmente um juiz assistente.

A Copa do Mundo será realmente disputada sem a Argentina pela primeira vez desde 1970?

Leia Também

Quanta fineza

Quanta fineza

No pé que as coisas estão, o Brasil tem uma vaga garantida com 33 pontos. A Colômbia tem 24 pontos, e junto com Uruguai e Chile com 23 cada, completa as quatro vagas diretas. A Argentina está com 22.

Além disso, o Equador com 20 e Peru e Paraguai com 18 cada, estão no páreo pelas vagas restantes.

Na última terça-feira, a Argentina foi batida na Bolívia por 2 a 0, enquanto Messi cumpria o primeiro jogo de sua suspensão. Ele desfalcará os próximos três jogos também, a menos de uma apelação bem-sucedida.

Embora Messi seja apenas um jogador, ele é fundamental para A Alviceleste, como a seleção também é conhecida. Por causa de lesões, e agora da suspensão, ele só disputou seis partidas das eliminatórias. Nestas, a seleção conquistou 15 em 18 pontos possíveis. Ele marcou quatro gols nesses jogos, e foi artilheiro da equipe apesar dos poucos jogos.

Em oito jogos sem ele, a Argentina conquistou apenas 7 em 24 pontos, e perdeu em casa para Equador e Paraguai.

Como os jogos das eliminatórias para a Copa do Mundo são espalhados por um longo período de tempo, as suspensões prolongadas são particularmente penosas. Uma suspensão de quatro jogos não parece um desastre, mas significa que Messi não disputará jogos das eliminatórias por seu país até outubro.

O próximo jogo da Argentina será muito difícil já que ela vai enfrentar a seleção uruguaia no Uruguai em agosto. Depois, em setembro e outubro, a seleção será favorita jogando em casa contra Venezuela e Peru (embora o Peru não possa ser uma barbada em se considerando a recente condição da Argentina sem Messi).

Se os resultados dessas partidas ficarem dentro do esperado, a Argentina enfrentará uma partida final decisiva contra o Equador em 10 de outubro. E Messi estaria de volta para esse jogo.

Mesmo assim, a seleção poderia ficar em quinto lugar. Isso não significaria a eliminação. Ela faria uma disputa de repescagem com a vencedora das eliminatórias da Oceania, quase certamente a Nova Zelândia. A Argentina seria amplamente favorita: nas eliminatórias para 2014, a Nova Zelândia perdeu de 9 a 3 para o México na somatória de dois jogos. De modo que a classificação em quinto lugar pode ser suficiente para a Argentina.

Mas se ficar em sexto ou menos seria o fim da linha. Uma derrota no Peru poderá ser fatal.

Um mau desempenho nas eliminatórias não significa um mau desempenho na Copa do Mundo. Em 2010, por exemplo, o Uruguai precisou se qualificar na repescagem após terminar em quinto lugar e depois chegou às semifinais do torneio. E a menos de lesões ou algo inesperado, Messi deverá estar na Copa do Mundo da Rússia, junto com a Argentina.

Apesar de tudo, ainda se pode dizer que a Argentina é candidata ao título mundial. A depender dos apostadores, a seleção argentina ainda é a quinta maior favorita a vencer a Copa, atrás apenas de Alemanha, Brasil, França e Espanha.

Em 1970, num formato em que as seleções disputavam apenas quatro jogos e somente três equipes sul-americanas se qualificavam, a Argentina tropeçou contra Bolívia e Peru e ficou fora. Nas 11 Copas seguintes, a seleção conquistou dois títulos, em 1978 e 1986, e dois vices. Uma Copa sem a Argentina, e sem Messi, seria estranha.

Mas isso ainda é mais do que possível. A simples dúvida sobre participação argentina é motivo de espanto e preocupação para muitos torcedores da Alviceleste em todo o mundo.

* Tradução de Celso Paciornik

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.