A chance de Rubinho e Marquinhos

O sonho de Rubinho e Marquinhos, escalados para o jogo que o Corinthians disputará amanhã em Goiânia é fazer desta partida o início de novos tempos na carreira. "A intenção é jogar bem e continuar como titular mesmo depois que o Doni cumprir sua pena", diz Rubinho. "Estou pronto para assumir o posto de titular. O Geninho pode confiar em mim e me colocar em lugar do Fábio Luciano", completa Marquinhos. A tarefa de convencer Geninho será mais fácil para Rubinho. A suspensão de Doni foi maior (40 dias) e ele terá mais tempo para se firmar. "Em 2001, o Luxemburgo me colocou como titular. Joguei sete seguidas e saí por causa de uma lombalgia. Saí, voltei e joguei mais cinco. A dor voltou e saí de novo. O Doni ficou com o meu lugar. Provei que posso jogar", diz Rubinho. Os dois têm uma carreira sólida nas seleções de base do Brasil. Disputaram o Mundial sub-20 da Argentina e estiveram no torneio do Catar, em janeiro. "É gozado. Eu sempre fui chamado para a seleção e isso me atrapalhou para ganhar um lugar no time do Corinthians. Agora, não fui convocado porque o Ricardo Gomes optou por quem não joga como titular nos clubes. Por isso, resolvi priorizar o Corinthians. Tomara que eu vire titular e depois consiga um lugar nas Olimpíadas", fala Marquinhos. Rubinho recebeu conselhos do irmão Zé Elias, que está de férias no Brasil. "Ele falou que é uma chance boa para me firmar e que tenho de agarrar com tranqüilidade, fazendo o que sei", diz Rubinho, que atuou pela última vez no dia 9 de abril , uma vitória por 2 a 0 sobre o The Strongest, da Bolívia, em La Paz.

Agencia Estado,

16 de julho de 2003 | 09h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.