Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

A dois dias da estreia, CBF anuncia proibição da Copa Sul-Minas-Rio

Entidade convida clubes para organizar a competição para 2017

Estadão Conteúdo

25 Janeiro 2016 | 17h13

A Copa Sul-Minas-Rio, programada para começar nesta quarta-feira, não poderá ser realizada. Pelo menos é isso que diz a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que emitiu nota oficial nesta segunda-feira para justificar a proibição. A entidade, entretanto, reafirmou a liberação para a realização de amistosos até sábado, o que não inviabiliza que os jogos programados para o meio de semana, já com ingressos vendidos, sejam realizados.

A decisão da CBF é mais uma reviravolta na novela, que já teve diversos capítulos. Por diversas vezes no meio da história a Primeira Liga, formada por 15 clubes de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio e Minas Gerais, disse que poderia organizar o torneio com ou sem consentimento da CBF. A Primeira Liga já se pronunciou sobre a decisão (leia abaixo) e diz que mantém sua programação normal.

A Primeira Liga, entretanto, conta com forte oposição da federação do Rio (Ferj), a cuja diretoria Flamengo e Fluminense são opositores. Com o apoio dos demais 14 clubes da primeira divisão do Carioca, a Ferj cobrou publicamente que a CBF proibisse o torneio. Depois, uma reunião entre a Primeira Liga, a Ferj e a CBF encaminhou um acerto, com os clubes se comprometendo a realizar a primeira edição da Copa Sul-Minas-Rio em caráter amistoso.

Agora, entretanto a CBF diz que a Copa Sul-Minas-Rio não pode existir. A entidade coloca cinco considerações para justificar a decisão e afirma que há "obstáculos técnicos intransponíveis", citando que não há haverá descanso suficiente para os jogadores, que um jogo não pode valer por dois torneios (sugeriu-se isso para o Gre-Nal) e que não foi observado critério técnico para a participação dos clubes.

No comunicado, a CBF diz que quer "harmonizar e democratizar o futebol brasileiro, pondo fim aos entraves, conflitos e antagonismos que acabaram se verificando entre os múltiplos atores de nosso futebol". Também lembra seu "empenho em promover competições rentáveis e de altíssimo valor agregado", citando a Copa do Nordeste. Assim, indica que quer ter o comando de todas as competições regionais do País.

No texto, assinado pelo presidente em exercício da CBF, Coronel Nunes, a entidade convoca os "protagonistas" das Copa Sul-Minas-Rio para deliberar sobre a inclusão do torneio no calendário de 2017. Também proíbe a solicitação de realização de qualquer competição não inserida no calendário 2016, autorizando amistosos apenas até 30 de janeiro, quando acaba a pré-temporada. Os clubes ainda não se pronunciaram.

Abaixo, leia a nota oficial da Primeira Liga sobre a decisão da CBF:

Com referência a Resolução de Diretoria publicada no dia de hoje pela CBF, informamos que ela em nada afeta a preparação e organização da Primeira Liga para os jogos desta quarta e quinta-feira. Como já extensamente explicado pela Primeira Liga, a entidade mantém uma posição jurídica e desportiva de independência das federações e da CBF, com base nos arts. 16 e 20 da Lei Pelé. Como consequência disto, não existe a necessidade legal de buscar-se prévia autorização para a realização dos jogos que estão programados até o dia 31 de março.

A Primeira Liga e seus 15 integrantes vem sendo constantemente prejudicados comercialmente por sucessivas tentativas de intervenção e proibição de seus jogos. Tentamos dialogar a fim de buscar uma solução e inclusive havíamos recebido de parte da CBF, em mais de uma ocasião, uma garantia de não intervenção na Primeira Liga, o que hoje mostrou-se não ser verdade.

À Primeira Liga interessa dar uma resposta ao torcedor, que é o real motor do futebol nacional. Aguardamos todos os torcedores apaixonados por futebol em um dos 6 estádios que nesta quarta e quinta sediarão a nossa rodada inicial.

Independentemente de tudo isto, a Primeira Liga segue aberta ao diálogo com vistas ao enquadramento da competição no calendário oficial da CBF em 2017.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.