A genética pode criar um novo Pelé?

Um mergulho no desconhecido. Uma realidade que, de tão nova, ainda não dispõe de leis que a regulamentem. A genética está expandindo os horizontes da raça humana como nunca ocorreu antes. Alguns cientistas se atrevem a afirmar que nem mesmo o descobrimento da roda provocou tantas transformações como o estudo dos genes pode causar. A verdade é que a humanidade está imersa naquele que promete ser o mais importante período de sua história. Mas calcular o tempo que teremos pela frente antes que tudo isso esteja inserido no cotidiano das pessoas é, segundo especialistas, praticamente impossível: "Vinte, cem anos. Quem sabe?" A sociedade vai se ver diante de mudanças radicais, não só de comportamento, mas, sobretudo, de valores. E o esporte, como parte desse contexto, não é nem será exceção. Perguntas como "será possível criar um atleta com características pré-definidas?" ou "um clone do Pelé vai, necessariamente, ser um grande jogador de futebol?" já estão presentes em conversas de botequim. A engenharia genética está trazendo para a realidade situações que, há alguns anos, só existiam nas mentes férteis dos roteiristas de ficção científica. Leia matéria completa no Estado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.