JF Diorio
JF Diorio

'A gente precisa parar de tomar gols o quanto antes', diz Carille após vitória suada

Corinthians perdia por 2 a 0 para o Avenida, mas conseguiu a virada por 4 a 2 na Copa do Brasil

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 00h29

O técnico Fábio Carille mostrou preocupação com as falhas defensivas do Corinthians na vitória por 4 a 2 sobre o Avenida (RS) pela Copa do Brasil nesta quarta-feira. O time começou perdendo por 2 a 0 e só conseguiu a virada de maneira dramática aos 42 minutos do segundo tempo. O time gaúcho vai disputar a Série D do Brasileirão e fez nesta quarta-feira o primeiro jogo fora do Rio Grande do Sul em seus 75 anos de história. 

“Estamos sem tempo para trabalhar, mas precisamos de mais atenção e também de uma cobrança maior da minha parte e da comissão técnica”, disse o técnico Fábio Carille em entrevista coletiva na Arena Corinthians.  

O treinador reconhece que tomou um susto com a vantagem dos gaúchos no início da partida. "Foi um susto mesmo, procurei colocar o mesmo time que jogou contra o São Paulo. Com 9 minutos já estava 2 a 0, aí tive que mudar para ser mais agressivo. Quero destacar o papel da torcida que não vaiou em nenhum momento. Eu tenho laterais e volantes que ajudam o setor ofensivo a fazer gols, então todo mundo precisa ajudar a marcar também. A gente precisa parar de tomar gols o quanto antes. Estou trabalhando a bola parada, mas preciso trabalhar mais, porque a bola parada decide."

O treinador pretende manter a dupla formada por Manoel e Henrique e afirma que deu chances para todos os zagueiros do elenco. “Eu coloquei todos para jogar. Faz parte, é um início, é uma dupla nova. (A dupla) É o que eu acredito nesse momento, precisamos de mais jogos. Foi contra Palmeiras, contra o São Paulo fez um bom jogo, uma bola que entrou no triângulo não foi culpa da zaga", afirmou o treinador.

Para as próximas rodadas, a dupla será mantida. No domingo, o time vai enfrentar o Botafogo pelo Campeonato Paulista. "Enfim... tem que dar confiança também. Se começar a mudar toda hora, não passa confiança. Se daqui a algumas rodadas continuar mostrando problemas de posicionamento, a gente pensa em outras situações", completou. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.