Peter Powell/Divulgação
Peter Powell/Divulgação

A lenda de Alex Ferguson fica ainda maior. E nem precisava

Técnico escocês chegou ao seu 13.º título inglês (mesmo número que tem o Arsenal)

Mateus Silva Alves, O Estado de S. Paulo

22 de abril de 2013 | 20h27

SÃO PAULO - Alex Ferguson não precisa de mais nenhum título para confirmar a sua condição de mito do Manchester United. Ainda assim, a sala de troféus de Old Trafford não para de receber novas peças. Nesta segunda-feira, uma previsível vitória por 3 a 0 sobre o Aston Villa, em Manchester, deu ao clube o 20.º título inglês de sua história - e deu à torcida dos Diabos Vermelhos mais um motivo para amar profundamente o escocês que mudou a história do clube.

Quando chegou ao United, em 1986, logo depois de comandar a Escócia na Copa do Mundo do México, Ferguson tinha a apoiá-lo a fama de ter transformado o pequeno Aberdeen em uma potência escocesa. Sob o comando dele, o clube ganhou os três títulos nacionais de sua história e a Recopa Europeia de 1983. Desde a sua saída, o Aberdeen nunca mais foi campeão escocês. Esse sucesso todo, no entanto, não valeu muita coisa para Ferguson quando ele chegou ao clube de Manchester, na época um gigante esparramado pelo chão.

Esperto, Ferguson logo percebeu que precisaria de tempo para triunfar no Manchester United, que não ganhava o campeonato nacional desde 1967 - e chegou a amargar a humilhação de uma queda para a Segunda Divisão nos anos 70. E tempo foi o que o técnico escocês teve, mas não sem alguns contratempos. Quando finalmente levantou sua primeira taça no clube do norte inglês, a da Copa da Inglaterra de 1990, Ferguson convivia com os boatos de que seria demitido a qualquer momento. Aquela conquista, como hoje se sabe, acabou com esses rumores e deu ao treinador o suporte de que ele precisava para fazer uma revolução no clube.

Ferguson tinha nas mãos uma garotada boa de bola, com nomes que logo se transformariam em ícones do Manchester United. Eram os "Fergie babes", jogadores como Giggs (sim, esse mesmo que continua mostrando sua classe com a camisa vermelha), Beckham, Scholes, Butt e Gary Neville. Para orientar essa molecada em campo, o escocês trouxe do Leeds United o francês Eric Cantona, um atacante tão encrenqueiro quanto talentoso - um fanfarrão, mas com uma capacidade de liderança impressionante. Essa combinação explosiva tirou o United da fila do Campeonato Inglês em 1993, quando o torneio já se chamava Premier League e o dinheiro começava a entrar fartamente nos cofres dos clubes do país. Especialmente nos cofres dos Diabos Vermelhos, que souberam como nenhum outro clube inglês tirar proveito dos novos tempos e se tornaram uma das maiores potências econômicas do futebol mundial, um clube que tem em todos os cantos do planeta torcedores loucos para consumir seus produtos.

Com a tradição e o dinheiro do Manchester United nas mãos, Ferguson teve as condições ideais para montar equipes à sua semelhança. Ou seja: competitivas até o extremo, sem concessões. Se há um troféu em jogo, o United entra em campo para ganhá-lo, custe o que custar. E como ganha! Nesta segunda, o escocês obteve seu 13º título nacional, marca igual à do Arsenal, terceiro colocado no ranking de conquistas do campeonato (o Liverpool é o segundo, com 18). É bem verdade que o estilo durão, às vezes com excessos, de Ferguson volta e meia provoca atritos com jogadores (Beckham, por exemplo, chegou a levar do treinador uma chuteirada na cara. Foi sem querer, mas ele levou), árbitros e treinadores das equipes rivais. Mas uma coisa ninguém discute: se o Manchester United continua vencendo campeonatos ano após ano, mesmo depois de perder jogadores valiosíssimos, como Cristiano Ronaldo, é porque o time está permanentemente contagiado pelo tal espírito competitivo de Ferguson. Foi o que disse, aliás, Wayne Rooney logo após a conquista do 20.º título nacional do clube.

"O treinador nos dá um grande estímulo e nos transmite uma mentalidade ganhadora. Todos nós nos imbuímos disso e tentamos fazer o melhor para o clube."

Aos 71 anos, Ferguson vive dizendo que já está chegando a hora de se aposentar, mas sempre adia sua saída de cena. Com toda a certeza, os rivais do Manchester United rezam para que o escocês pendure a prancheta o mais rápido possível. Eles sabem que, com Ferguson no banco de reservas, é muito difícil ganhar dos Diabos Vermelhos.

Confira todos os títulos de Alex Ferguson no Manchester United:

13 Campeonatos Ingleses (1992/93, 1993/94, 1995/96, 1996/97, 1998/99, 1999/2000, 2000/01, 2002/03, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2010/11 e 2012/13)

5 Copas da Inglaterra (1989/90, 1993/94, 1995/96, 1998/99 e 203/04)

4 Copas da Liga Inglesa (1991/92, 2005/06, 2008/09 e 2009/10)

10 Supercopas da Inglaterra (1990 - dividida, 1993, 1994, 1996, 1997, 2003, 2007, 2008, 2010 e 2011)

2 Copas dos Campeões da Europa (1998/99 e 2007/08)

2 Mundiais de Clubes (1999 e 2008)

1 Recopa Europeia (1990/91)

1 Supercopa da Europa (1991)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.