A "nova" Lusa vence Fluminense no Rio

A Portuguesa, enfim, conseguiu vencer fora de casa no Torneio Rio-São Paulo: foi hoje à tarde, na estréia do técnico Valdir Espinosa. O adversário, o Fluminense, ofereceu resistência. Mas não suportou o ímpeto da Lusa. O placar de 4 a 3 deixou muito irritada a torcida do time carioca, no Maracanã. Um grupo de insatisfeitos pediu a saída do treinador Oswaldo de Oliveira. Logo aos 34 segundos, a nova Portuguesa, mais aguerrida e aplicada taticamente, fez o primeiro gol. A jogada começou com Evandro na direita. Depois de um bate-rebate na área, o chileno Uribe completou. O lance perturbou o Fluminense e os erros de passe se acumularam na equipe carioca. Apenas o meia Roger tentava, com algum sucesso, reverter a situação. Mas aos 15, num cruzamento de Alemão, da esquerda, Evandro cabeceou sem marcação e ampliou o placar: 2 a 0. Com a vantagem, a Portuguesa recuou e passou a atuar nos contra-ataques. Permitiu uma pressão forte do Fluminense. Aos 28, Fernando Diniz cruzou da esquerda e Magno Alves, de cabeça, descontou. Pouco depois, Roger cobrou uma falta na trave. No último minuto da etapa inicial, o zagueiro Rogério Pinheiro foi expulso, ao cometer falta no lateral Flávio. Espinosa trocou Uribe pelo zagueiro Élvis no intervalo para recompor a zaga. Mas a pressão do Fluminense aumentou. Aos 8, Flávio empatou, em belo chute de fora da área. Um minuto depois, Márcio Goiano interrompeu a festa tricolor, aproveitando chute cruzado de Ricardo Oliveira. A Portuguesa passaria a frente de novo. Também por pouco tempo. Aos 14 minutos, após grande jogada individual de Roger, que driblou dois adversários, Magno Alves não desperdiçou diante de Bosco: 3 a 3. O vaivém de gols não havia terminado. Aos 30, Evandro, sempre arisco e contando com a falha da zaga do Fluminense, marcou o quarto gol da Portuguesa. As duas equipes ainda tiveram novas chances. Só que o dia era da nova Lusa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.