Christophe Simon/AFP
Christophe Simon/AFP

A pedido da mulher grávida, capitão da Suécia atuará contra a Inglaterra

Filho do zagueiro Andreas Granqvist pode nascer a qualquer momento, mas sua companheira não quer que ele volte para casa

Estadão Conteúdo

05 Julho 2018 | 17h32

O zagueiro Andreas Granqvist garantiu: estará em campo neste sábado, às 11 horas (de Brasília), em Samara, jogo contra a Inglaterra, em jogo que vale vaga para a semifinal da Copa do Mundo da Rússia. Enquanto isso, sua mulher, Sofie, está em casa, na cidade de Helsingborg, na Suécia, à espera do segundo filho do casal e pode dar à luz a qualquer momento.

+ Capitão da Suécia deve virar pai durante as oitavas de final da Copa

+ Ibrahimovic elogia Suécia e diz que país tem condições de passar pela Inglaterra

+ Larsson celebra volta à Suécia após suspensão: 'Assistir ao jogo é mais difícil'

Decisão difícil, tomada depois de diálogo franco e aberto junto à delegação sueca e, claro, à família, que teve a palavra final. "Ela não quer que eu vá para casa, ela quer que eu esteja aqui e jogue futebol", disse o capitão da seleção, de 33 anos.

É a partida mais importante da Suécia em 24 anos, desde a derrota por 1 a 0 para o Brasil na semifinal do Mundial dos Estados Unidos, em 1994. Depois, na disputa pela terceira posição, goleada sobre a Bulgária por 4 a 0.

Granqvist viveu a expectativa pelo nascimento do segundo filho já nas oitavas de final, na última terça-feira, quando os suecos bateram a Suíça por 1 a 0.

 

"Minha mulher é uma pessoa muito forte e nós conhecíamos a situação antes de vir para a Rússia. Nada aconteceu até agora. Mas, aconteça o que acontecer, não perco as quartas de final", garantiu o defensor, que tem ajudado também o setor ofensivo da equipe - já marcou dois gols nesta Copa.

Sobre o jogo diante dos ingleses, o zagueiro elogiou o estilo ofensivo do adversário e disse que o atacante rival Harry Kane "é fantástico", mas confia na classificação da Suécia, que está avançando neste Mundial mesmo sem contar com Zlatan Ibrahimovic, que se aposentou da seleção nacional em 2016.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.