A última chance de Mourinho

Técnico terá sua terceira chance de chegar à final da Copa dos Campeões com o Real Madrid

Jamil Chade - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2013 | 08h03

MADRI - Ele foi contratado em 2010 pelo presidente do Real Madrid, Florentino Perez, com uma só missão: conquistar a Copa dos Campeões ao clube. Nesta terça-feira, José Mourinho terá sua terceira chance de chegar à final com o clube. Mas tudo indica que será também a última.

"Em todos os lugares, o êxito é de todos no clube, mas o fracasso é do treinador", admitiu Mourinho. "Se o Real passar para a final, será o sucesso de todos. Se não, será meu fracasso", completou, alertando são "poucos os clubes que cuidam de seus treinadores".

Polêmico, brigão, pouco diplomático e tão odiado quanto admirado em Madri, o português teria seus dias contados no clube se uma vez mais não chegar à final. Já teve duas oportunidades. Em 2011, perdeu nas semifinais para o Barcelona. Em 2012, caiu também nas semifinais para o Bayern. Agora, enfrenta uma tarefa ainda mais difícil: terá de mudar seu estilo de jogo, já criticado por jogadores de seu próprio time, para marcar 3 a 0 e reverter a goleada que sofreu há uma semana.

Nesta segunda-feira, Mourinho era o retrato de um treinador desiludido com seus jogadores e com seu clube. Acusou os titulares de terem entrado em campo "como para um amistoso", de não terem cumprido ordens e nem mostrado compromisso. Sobre as chances de reverter o placar, foi ainda mais vago. "É complicado".

Não disfarçou ainda sua irritação diante das perguntas sobre uma eventual demissão. "Meu futuro não depende desse jogo", ironizou durante a coletiva de imprensa em que sequer foi com o tradicional uniforme Adidas do time e optou por um abrigo com a marca de um patrocinador pessoal. Ele se mostrou incomodado quando foi questionado sobre os rumores de que o Real já estaria em contato com Carlo Ancelotti, técnico do PSG. "Sobre isso, perguntem ao Real e ao Ancelotti".

Mourinho não deixou de criticar o Real Madrid por sua ofensiva midiática para incentivar os torcedores a lotar o estádio. "Não estou preocupado com as sensações. A melhor forma de motivar seria ter vencido. O que motiva é resultado. Se alguém acha que colocando um vídeo isso motiva, problema dele", disse.

Sobre o jogo em si, Mourinho foi realista, quase pessimista. "Se conseguirmos sair na frente, faltarão dois gols. Vamos ter de ir minuto a minuto, gol à gol, até o último suspiro". O último pode ser dele mesmo.

REAL MADRID X BORUSSIA DORTMUND

REAL MADRID - Diego López; Essien, Varane, Sergio Ramos e Fábio Coentrão; Modric, Xabi Alonso, Di Maria e Özil; Cristiano Ronaldo e Higuaín. Técnico: José Mourinho.

BORUSSIA DORTMUND - Weidenfeller; Piszczek, Subotic, Hummels e Schmelzer; Bender, Gundogan, Blaszcykowski e Götze; Reus e Lewandowski. Técnico: Jürgen Klopp.

Árbitro - Howard Webb (ING); Horário - 15h45 (de Brasília); TV - ESPN e Esporte Interativo; Local - Estádio Santiago Bernabéu, em Madri (ESP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.