Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão
Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A vez da superação

No papel, o Cruzeiro é melhor do que o Corinthians. Mas a Copa tem exemplos de reação

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2018 | 04h00

Caro leitor destas mal traçadas frases que duas vezes por semana ocupam espaço nobre no Estadão, não há como negar que, no papel, o Cruzeiro é melhor do que o Corinthians. Mano Menezes tem elenco mais variado e de qualidade superior à do rival Jair Ventura. Há dois anos no cargo, contra nem dois meses do colega, conta com time compacto e com plano de jogo definido, testado, aprovado. Portanto, desponta como favorito na final da Copa do Brasil. Na teoria. 

Na prática, a conversa pode ser outra – e não há constatação tão óbvia quanto esta. Como se trata de duelos eliminatórios, em ida e volta, quem garante sucesso de antemão para este ou aquele concorrente? O sistema de disputa permite reviravoltas eloquentes, e a própria Copa do Brasil tem, em três décadas de existência, incontáveis exemplos de superação. 

Para ficar nos dois finalistas, lembre-se do Sport diante do Corinthians, em 2008 (os pernambucanos perderam por 3 a 1 em São Paulo e ganharam por 2 a 0 em Recife), ou do Palmeiras sobre o Cruzeiro em 1998 (derrotado por 1 a 0 em Belo Horizonte, venceu por 2 a 0 no Morumbi. Em ambas as ocasiões, alvinegros e celestes tinham vantagem e se deixaram superar. Da mesma forma, eles também levantaram a taça após anular reveses.

Eis a palavra-chave para os corintianos usarem novamente: superação. Quem imaginava a equipe em outro tira-teima, depois de eliminação na Libertadores, de trajetória decepcionante no Brasileiro e de segunda troca de comando em curto período? (Saíram Fabio Carille e Osmar Loss.) Se não passasse vergonha no restante da temporada, talvez o torcedor se desse por satisfeito, ou menos abatido. 

No entanto, mesmo sem muito brilho, ultrapassou o Vitórias nas oitavas (0 a 0 e 3 a 1), a Chapecoense nas quartas (1 a 0 e 1 a 0) e o Flamengo na semifinal (0 a 0 e 2 a 1). Os clássicos com os rubro-negros provavelmente servem de parâmetro para topar com Cruzeiro. O primeiro jogo, no Maracanã, foi um horror do ponto de vista estético. O Corinthians fechou-se como ostra, daquelas duras de romper, ficou encolhidinho no seu campo, esqueceu até como era ir ao ataque. Pagou para ver, e se deu bem. No retorno, arriscou a sorte e flagrou o Flamengo desatento, afrouxado na marcação, débil na criatividade. Enfim, presa até fácil. 

Jair não abre, porém deixa no ar que a receita anterior deva servir para enfrentar o Cruzeiro no Mineirão. A escalação preferida – ou ao menos aquela do último treino – reforça a sensação de ferrolho cadeado, tranca) para esta noite. Nem há muito como fugir, na escolha dos nomes; não tem fartura. A boa notícia fica para o retorno de Fagner, o que garante solidez na retaguarda, experiência e ainda capacidade para eventuais arrancadas para a frente.

Gabriel e Ralf no meio estarão a servir de cães de guarda, com a devida ajuda de Romero e Mateus Vital. A construção de jogadas importantes recai sobre Jadson, com Clayson a fazer duplo papel, no ataque e como quinto componente para marcar. 

É do que Jair dispõe por ora. Se olhar para o banco, verá o jovem Pedrinho ou os veteraníssimos Danilo e Emerson Sheik. A chance de o Corinthians faturar o troféu pela quarta oportunidade se concentra em voltar de Minas vivo. Ou, trocando em miúdos: se puser na bagagem empate ou derrota por diferença de um gol. Daí dá para pensar em enredar o Cruzeiro em Itaquera. Tarefa complicada, pois tromba com um oponente matreiro nesse tipo de prova de fogo, embora sovina em gols.

TEM SELEÇÃO!

Gente, o Brasil entrará em campo, na sexta, em Riad, em amistoso com a Arábia Saudita. Puxa, que jogão! Para mim, 12 de outubro é Dia da Criança e, mais do que isso, de Nossa Senhora Aparecida.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.