Abel Braga exalta Fla-Flu na final carioca após 22 anos e vê equilíbrio no duelo

Primeiro clássico da final será neste domingo, às 16 horas

Estadao Conteudo

28 de abril de 2017 | 19h50

O técnico Abel Braga, do Fluminense, projeta uma final de Campeonato Carioca equilibrada contra o Flamengo, neste domingo, às 16 horas, no estádio do Maracanã, no Rio, mas não de muitos gols, como no último encontro entre os clubes em uma decisão de Estadual, há 22 anos, vencida pelo clube tricolor (3 a 2).

"Nós queremos, assim como o Flamengo, proporcionar um grande jogo. É o que desejo. Fla-Flu é o clássico mais charmoso, mas não tem essa de que não acontece há muito tempo. Só não acredito que vai ser um jogo de muitos gols como aquele Fla-Flu da Taça Guanabara", avaliou o técnico.

O treinador do time tricolor não fez mistérios sobre a escalação e a forma de atuar da equipe que, sob o comando dele, venceu 15 dos 25 jogos disputados e perdeu apenas quatro (com 55 gols marcados e 26 sofridos).

"A estratégia está montada. Amanhã (sábado) vamos treinar muito isso. A equipe já esta de cor e salteado para vocês e para o torcedor. A gente vem conseguindo coisas que ninguém acreditava. Disputar quatro competições e poder estar ainda em todas, é um negócio inacreditável", relatou Abel Braga.

Pelo Fluminense, Abel Braga levantou seis vezes a taça de campeão carioca, sendo quatro como jogador (1971, 1973, 1975 e 1976) e duas como treinador (2005 e 2012). Bem humorado, ele confirmou a estrela na competição "Acho que é por isso que me chamaram de volta. Pensaram: quer ganhar, chama o Abel", brincou.

Abel Braga liderou os treinamentos do Fluminense nesta sexta-feira, no CT Pedro Antonio, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. As atividades táticas duraram pouco mais de uma hora. O elenco ainda terá mais uma sessão de treinos antes da decisão do Campeonato Carioca na manhã deste sábado.

O time deverá entrar em campo contra o Flamengo com a seguinte formação: Diego Cavalieri; Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Orejuela, Wendel e Sornoza; Wellington Silva, Richarlison e Henrique Dourado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.