Divulgação
Divulgação

Abel Braga vê Internacional sem sorte e critica arbitragem após revés

Em derrota para o Veranópolis, equipe colorada perde invencibilidade no Campeonato Gaúcho

AE, Agência Estado

24 de fevereiro de 2014 | 11h17

VERANÓPOLIS - O técnico Abel Braga acredita que faltou mais sorte ao Internacional no jogo em que o time foi derrotado por 1 a 0 pelo Veranópolis, neste domingo, fora de casa, e perdeu a sua invencibilidade no Campeonato Gaúcho. O treinador evitou criticar a atuação da equipe, que acabou superada no confronto que também marcou a estreia do goleiro Dida, ex-Grêmio, com a camisa colorada.

"Faltou sorte. Na (jogada de ataque) do Caio, estava a um metro do gol e a bola bateu no travessão. Sabíamos que eles (adversários) jogavam por uma bola. Terminamos o jogo com cinco atacantes. Hoje (domingo) não foi o dia de a bola entrar", afirmou o treinador, para depois enfatizar que o time se irritou com a derrota, embora siga na liderança disparada do Grupo A do torneio estadual, com seis pontos de vantagem sobre o Brasil de Pelotas. "A equipe não aceitou o resultado, isso é muito legal. Mostra uma equipe talhada para vencer", completou.

O treinador também enfatizou que o Inter "está de parabéns" pelo seu desempenho e que a derrota poderia acontecer "a qualquer momento", assim como criticou a arbitragem de Francisco Silva Neto. Para ele, o juiz deixou de marcar dois pênaltis para os colorados: um sobre Alan Ruschel e outro sobre Wellington Paulista. Ao comentar a primeira destas supostas penalidades, na qual o arbitro chegou a apontar a marca do pênalti e depois apontou apenas o tiro de meta, o treinador reclamou: "Faz tempo que não vejo lei da vantagem em pênalti. Na volta do intervalo ele (árbitro) admitiu que deu pênalti e depois voltou atrás".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolInterAbel Braga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.