Cesar Greco/Palmeiras
Cesar Greco/Palmeiras

Abel celebra volta de jogadores, mas critica Palmeiras por falta de concentração

O treinador reconheceu que o time correu riscos no Allianz Parque

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2021 | 20h12

Sem esconder alívio pelo fim do jejum de vitórias no Palmeiras, o técnico Abel Ferreira comemorou o triunfo sobre o Internacional por 1 a 0, neste domingo, mas admitiu preocupação com a falta de concentração da equipe paulista após a expulsão do volante Edenilson, do time gaúcho. O treinador reconheceu que o Palmeiras correu riscos no Allianz Parque. 

"Geralmente, quando um time está com um jogador a mais, o centroavante não volta para defender, o meia não defende, os pontas não defendem. Só aí já são quatro a menos a defender. E nosso adversário continua com 10. E aí fica 10 contra 7. Houve desconcentração", criticou o treinador.

Ele prometeu um puxão de orelha no elenco por causa da postura, que quase ameaçou os três pontos conquistados em casa. "Isso nós vamos ter que corrigir. Mas, no modo geral, a equipe se comportou bem num momento difícil, em que precisávamos ganhar. Temos ordem e disciplina na nossa equipe, somos uma equipe equilibrada, tem que saber defender, saber contra-atacar, saber propor jogo, saber fazer gols em bola parada. O que houve hoje foi falta de concentração e foco nas tarefas defensivas. Muitas vezes acontece que a equipe que está com menos vence, justamente por causa desta perda de foco do adversário."

Apesar das oscilações no segundo tempo, Abel comemorou a vitória por, na sua avaliação, resgatar a confiança da equipe, abalada após um jejum de cinco jogos no Brasileirão - e sete, se levar em conta as demais competições. A sequência ruim derrubou o Palmeiras da vice-liderança para o quinto lugar da tabela nas últimas rodadas. 

"A vitória traz confiança. Sabemos que a pressão de ganhar jogando no Palmeiras é diária, nos treinos, nos jogos. Precisávamos muito desses três pontos, que dão confiança à equipe. Como disse tempos atrás, quando temos todo o elenco disponível, somos mais fortes, competitivos. E, acima de tudo, somos muito mais maduros quando os jogadores das seleções retornam."

Abel valorizou o retorno do trio formado por Gustavo Gómez, Weverton e Piquerez. Eles desfalcaram o time paulista nas últimas rodadas porque estavam com suas seleções nas Eliminatórias da Copa do Mundo. Para o treinador, a maior experiência deles fez a diferença neste domingo. 

"Não sou o melhor treinador do mundo, mas sonho um dia ser. Já disse que não faço milagres, não tenho varinha mágica. São os jogadores que fazem diferença nessa equipe e, quando estamos todos juntos, somos todos mais fortes. Quando o elenco está tudo junto, a rapaziada, a experiência... Quando é preciso agarrar a equipe, aparecem os mais experientes. Quando as coisas apertam, os jovens têm mais dificuldades", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.