Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
César Greco / Agência Palmeiras
César Greco / Agência Palmeiras

Abel cita união do Palmeiras e usa Deyverson como exemplo de 'espírito coletivo'

Atacante entrou no segundo tempo contra o Atlético-GO e participou da jogada do último gol

Redação, Estadão Conteúdo

18 de julho de 2021 | 20h17

A série de sete vitórias atingida neste domingo pelo Palmeiras, com o triunfo por 3 a 0 sobre o Atlético-GO, encheu o técnico Abel Ferreira de orgulho, não apenas em razão do resultado. O português saiu do gramado do estádio Antônio Accioly, em Goiânia, feliz ao ver a equipe colocando em prática o que ele chamou de "espírito coletivo", usando um lance protagonizado pelo atacante Deyverson como exemplo dessa qualidade.

Nos acréscimos do segundo tempo, quando o Palmeiras já vencia por 2 a 0, Deyverson roubou uma bola no meio de campo e avançou quase até a entrada da área, com boa oportunidade de chutar a gol, mas preferiu tocar para Breno Lopes fazer o terceiro gol palmeirense e fechar o placar.

"Se nós queremos ver o espírito que essa equipe está, basta ver o passe que o Deyverson fez, poderia ter sido egoísta. Para mim, enquanto treinador, para mim, enquanto líder do Palmeiras, isso vale muito mais do que um gol. Vale o espírito coletivo, porque o futebol é coletivo, não é individual, temos todos que trabalhar para a equipe, e esse passe do Deyverson representa o espírito da equipe do Palmeiras", comentou o treinador.

A união do elenco, segundo Abel, é um fator primordial para que o time esteja vivendo uma grande fase neste momento da temporada. Apesar disso, o português sabe que o clima atual pode não durar para sempre, por isso fez algumas ponderações ao comentar sobre a série invicta do time palmeirense.

"O Brasileirão é um dos campeonatos mais competitivos do mundo para mim. Ainda estamos na 12ª rodada. Vivemos no oito ou oitenta. Hoje sou oito, amanhã sou oitenta. Depois sou oito, depois sou oitenta. As coisas não são assim, o jogo vale apenas três pontos, não estamos nem no meio do campeonato. Temos que pensar jogo a jogo, cada jogo vale três pontos, nem mais nem menos", ponderou.

Além do espírito coletivo, Abel destacou a inteligência dos jogadores em apostar em investidas pelo lado esquerdo do campo. "Para mim o futebol é tempo e espaço. Nós temos que aproveitar o espaço que o adversário nos dá. Esse espaço abre e fecha em função de um tempo. Neste binômio tempo espaço, nosso time aproveitou bem uma das rotas de ataque", afirmou.

Líder do Brasileirão, com 28 pontos, três a mais que o vice-líder Atlético-MG, o Palmeiras volta a atenção para a Copa Libertadores. Nesta quarta-feira, o time recebe a Universidad Católica no Allianz Parque para a disputa do jogo de volta das oitavas de final, após vitória por 1 a 0 no Chile.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.