Nelson Perez / Fluminense FC
Nelson Perez / Fluminense FC

Abel detona arbitragem na derrota do Flu para Corinthians e vê final contra Ponte

Para o treinador, momento atual é o mais difícil da carreira

Estadão Conteúdo

16 Novembro 2017 | 10h50

O técnico Abel Braga, do Fluminense, criticou a arbitragem do catarinense Braulio da Silva Machado na derrota da equipe carioca na derrota por 3 a 1 para o Corinthians, nesta quarta-feira, no Itaquerão, que deu o título do Campeonato Brasileiro ao time alvinegro com três rodadas de antecedência. O treinador parabenizou o colega Fábio Carille, mas foi irônico ao cobrar a marcação de duas penalidades máximas em favor do Fluminense.

Fluminense confirma acordo como novo patrocinador até o final de 2018

"Parabéns ao Carille, o título é merecido. Para o Corinthians uma noite perfeita, porque conquistaram o título, o estádio cheio e uma arbitragem sensacional. Portanto, parabéns ao árbitro. Digna de um jogo decisivo. A única coisa que o árbitro errou foram dois pênaltis que ele não deu. Faz diferença. No segundo, ele chegou a colocar o apito na boca. No último jogo, perdi para o Cruzeiro porque meu jogador, no meio-campo, de costas para a bola, a bola bateu no braço e ele foi expulso. Hoje, bateu no braço e ele não marcou", desabafou o comandante do time tricolor carioca em entrevista após a partida.

Frustrado pela derrota que mantém o Fluminense em situação difícil na classificação do Brasileirão - o time segue na parte debaixo da tabela, com 43 pontos e ameaçado de rebaixamento -, Abel destacou o clima de decisão que enfrentará diante da Ponte Preta, na segunda-feira, às 17 horas, no Maracanã, pela 36ª rodada.

"É uma situação ainda muito complicada. Jogo difícil, conheço muito bem a Ponte. É um time guerreiro, de muita agressividade. É um jogo muito importante, temos que ter a presença maciça do torcedor. Se nós conseguirmos sair desse momento, será uma vitória", declarou Abel.

O treinador também revelou que vivencia o momento mais difícil de sua carreira. "Eu nunca tive um trabalho, na minha vida, tão difícil. Espero que possamos terminar o campeonato e, antes de terminar o ano, sentar e pensar. Segunda-feira é um jogo de pressão, e temos que estar preparados. E é óbvio que você se prepara melhor quando tem apoio do seu torcedor", projetou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.