Lucas Merçon / Fluminense FC
Lucas Merçon / Fluminense FC

Abel exalta bravura do Fluminense e diz ser impossível jogar em Potosí

Na altitude, time carioca é derrotado por 2 a 0, mas se classifica por ter vencido no Maracanã por 3 a 0

Estadão Conteúdo

11 Maio 2018 | 09h22

Após o Fluminense avançar à segunda fase da Copa Sul-Americana com a derrota por 2 a 0 para o Nacional Potosí, o técnico Abel Braga elogiou a garra exibida pelos seus jogadores e não poupou críticas às condições enfrentadas pelo time na Bolívia, na noite de quinta-feira. A equipe enfrentou problemas para chegar a Potosí e o treinador apontou ser muito difícil jogar sob os efeitos 4.067 metros de altitude.

+ De virada, Fluminense bate o Vitória em Salvador e reage no Brasileirão

+ Clássico entre Flu e Vasco no Sub-20 termina mais uma vez em pancadaria

"Fomos muito bem recebidos pelas pessoas aqui de Potosí, mas, com todo respeito, não tem a mínima possibilidade de se jogar futebol a 4 mil metros de altura. É desumano. Uma equipe ganhou, de forma merecida, e nós nos classificamos. Era o que queríamos. Nós viemos para nos defender, porque a gente sabia que seria cruzamento o tempo todo. Até tivemos umas três oportunidades de fazer o gol, mas o domínio foi todo do adversário, porque não é possível jogar. Ano passado estivemos em Quito, mas aqui é diferente. Tivemos jogador precisando de oxigênio no hotel, antes do jogo, no aquecimento, no intervalo, não é possível. Pela bravura, merecemos a classificação", afirmou.

O Fluminense abriu vantagem no confronto com o Nacional Potosí ao vencer o jogo de ida por 3 a 0, no Maracanã, se classificando praticamente no limite, com o revés por 2 a 0. A situação foi encarada com naturalidade por Abel, apontando que já esperava ver o time sofrer diante do time boliviano.

"A Sul-Americana é uma competição como a Libertadores. Times diferentes, formato um pouco diferente. Mas no mata-mata, você joga 180 minutos e leva quem tiver feito o melhor placar. E nós conseguimos fazer um placar no Maracanã. Aquele é o meu time. Lá conseguimos jogar, aqui não foi possível jogar. Sem tirar os méritos do Potosí. Tínhamos na cabeça os jogos em Quito, no ano passado. Então sabíamos que seriam muitas bolas levantadas na área, em função disso foram importante os três zagueiros fixos, para que não tivéssemos desvantagem numérica nos cruzamentos", disse.

O adversário do Fluminense na segunda fase da Sul-Americana será definido através de sorteio. O time voltará a jogar na segunda-feira, no Engenhão, contra o Botafogo, em clássico válido pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.