Cesar Greco/Palmeiras
Cesar Greco/Palmeiras

Abel explica escalação de reservas do Palmeiras no clássico e garante: 'Temos um plano'

Pensando na Libertadores, treinador considerou acertada opção por preservar titulares mesmo com o revés para o São Paulo

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2021 | 00h38

A opção de Abel Ferreira em utilizar reservas no clássico contra o São Paulo não deu certo, já que o Palmeiras foi dominado e perdeu para o rival por 2 a 0 em casa em duelo da 33ª rodada do Brasileirão. Mas o treinador português entende que esse era um risco que deveria correr em razão da proximidade da final da Libertadores, marcada para dia 27, em Montevidéu, no Uruguai. Na sua avaliação, embora o resultado em campo tenha sido ruim, a decisão foi acertada.  

Em entrevista coletiva após o revés no Choque-Rei, Abel afirmou que desenhou um plano e que não abre mão de segui-lo. Isso inclui escalar somente Weverton e Marcos Rocha de titulares mesmo em um jogo importante, contra um rival pressionado e brigando para não entrar na zona de rebaixamento do Brasileirão.

"Me pagam para tomar decisões difíceis, sei há quanto tempo estou aqui, o que nos trouxe até aqui e o elenco que tenho. Era mais fácil jogar contra o São Paulo com o melhor elenco? Vocês são malucos. Eu sei o que estou fazendo. Temos um plano e vamos segui-lo até o fim, aconteça o que acontecer", enfatizou o confiante treinador.

"Acreditem no que estamos fazendo. Um ano atrás, ninguém dava nada para esse time. Ganhamos dois grandes títulos. 21 anos depois, uma Libertadores e ainda a Copa (do Brasil). Temos um plano e vamos segui-lo até o fim", reforçou, citando as conquistas recentes.

Até a final da Libertadores contra o Flamengo, daqui a nove dias, em Montevidéu, o Palmeiras joga mais duas vezes pelo Brasileirão. No sábado, enfrenta o Fortaleza, no Castelão, e na terça-feira encara o líder Atlético-MG, que pode confirmar o título nacional no Allianz Parque.

Com essa sequência de partidas, o português resolveu preservar seus principais atletas nesta quarta. Mas com o resultado adverso diante do São Paulo, foi obrigado a lançar mão de Rony, Raphael Veiga, Gustavo Scarpa e Zé Rafael no segundo tempo. A tendência é de que use os titulares diante do Fortaleza e mande a campo suplentes contra o Atlético, no último compromisso antes da decisão continental.

"Temos um calendário de jogos seguidos e não faço milagres, não há magia. Da forma como está organizado o calendário, não há milagres. Sou pago para tomar decisões e sou eu que assumo a responsabilidade das minhas decisões", disse o técnico, irritado em alguns momentos da entrevista.

O português reconheceu que a performance "não foi a melhor" sob os olhares de 35 mil palmeirenses no Allianz Parque, mas foi sucinto nessa questão. Não quis se alongar sobre o desempenho ruim de seus comandados nem elogiar o São Paulo. "Oferecemos erros ao nosso adversário. O adversário ganhou bem, parabéns, ganhou bem, está fechado", falou, depois de ver muitos problemas em campo, na criação das jogadas e também no sistema defensivo, que deu muitos espaços ao adversário.

Incomodado, Abel desceu ao vestiário antes do apito final. O clássico foi encerrado aos 53 minutos, mas o treinador deixou o gramado aos 49. O motivo, segundo ele, foi para se preservar. Ele não queria ser suspenso, já que estava pendurado e, nervoso, reclamaria com a arbitragem.

"Saí para não ser expulso e estar com meus jogadores no próximo jogo. Para não levar amarelo. Por isso abandonei o campo. Não gostei nada daquilo que vi, e foi em detalhes, em faltinhas. Sempre para o mesmo lado, não gostei. Por isso saí mais cedo", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.