Carla Carniel/Reuters
Carla Carniel/Reuters

Abel Ferreira aceita proposta do Palmeiras e renova contrato até o fim de 2024

Treinador português está valorizado com a conquista de quatro títulos em menos de um ano e meio no clube

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2022 | 15h21
Atualizado 26 de março de 2022 | 21h46

Abel Ferreira assinou, enfim, sua renovação com o Palmeiras. O técnico português aceitou o que lhe foi proposto e seu vínculo, que venceria no fim deste ano, foi prorrogado até dezembro de 2024. O clube fez o anúncio após a partida da semifinal deste sábado contra o Red Bull Bragantino. Abel já havia acenado nos últimos dias que aceitaria a proposta do Palmeiras, que brincou no anúncio com ao lançar o "dia do fico", em alusão ao dia 9 de janeiro de 1822, data em que o então príncipe regente D. Pedro I disse que não voltaria para Lisboa e permaneceria no Brasil.

No programa Roda Viva, da TV Cultura, ele falou sobre o assunto e condicionou a permanência no clube à vinda de sua família de Portugal para o Brasil. Adiantada pelo Estadão antes da vitória sobre o Bragantino que colocou a equipe na decisão do Paulistão, a renovação foi confirmada minutos depois do apito final. "Durante a nossa gloriosa história de 107 anos, poucos profissionais se identificaram tanto com os nossos valores e tradições quanto ele. Assim como cada um de nós, o Abel respira Palmeiras. Tem a cabeça fria e o coração verde. Estou certa de que ele continuará fazendo um trabalho brilhante junto aos nossos jogadores e dará ainda mais alegrias à nossa torcida", afirmou a presidente Leila Pereira, que quer que o português estenda sua permanência por um período ainda maior.

"Renovamos o contrato do Abel até dezembro de 2024, mas queremos que ele fique ainda mais tempo no Palmeiras. Se o nosso objetivo é melhorar o futebol brasileiro como um todo, precisamos dar tempo e segurança para os bons profissionais trabalharem", acrescentou.

No fim do ano passado, Leila Pereira assumiu a presidência e ofereceu ao técnico a ampliação de seu contrato. Naquela ocasião, dias antes da disputa do Mundial de Clubes de Abu Dabi, porém, Abel preferiu não conversar a respeito do assunto, mas aceitou uma valorização salarial.

A mandatária, aliás, vinha tentando convencer o técnico a renovar há meses, antes mesmo de assumir o cargo mais proeminente do clube. No ano passado, Leila se encontrou com a mulher de Abel, Ana Xavier, e conversou com ela a respeito da possibilidade de a família se mudar de Penafiel para São Paulo.

Abel está valorizado com o trabalho bem-sucedido no Palmeiras desde novembro de 2020 e já recebeu sondagens de times da Turquia, Emirados Árabes Unidos, Catar e Espanha, além do Benfica, de Portugal, sua terra natal, o último a procurar entender a situação do treinador palmeirense.

Abel ostenta quatro troféus em oito finais disputadas em um curto período: apenas um ano e quatro meses. Ganhou a Copa do Brasil de 2020, as duas últimas edições da Libertadores e a Recopa Sul-Americana, título que o colocam entre os maiores treinadores da história do Palmeiras.

Por causa dos resultados expressivos, mas também da personalidade e conduta, conseguiu algo raro: tornar-se unanimidade entre os torcedores palmeirenses, que passaram a repetir seus gestos e mantras. "Cabeça fria, coração quente" virou o lema mais conhecido do treinador, famoso por colocar os dedos nas têmporas para pedir calma aos jogadores em momentos adversos. Há 17 meses no Palmeiras, ele é o segundo técnico mais longevo do futebol brasileiro. Está atrás apenas de Maurício Barbieri, comandante do Red Bull Bragantino.

O português já havia avisado que tinha uma "ligação muito forte" com o Palmeiras e afirmara que não sairia do clube para comandar uma equipe que não brigasse por títulos. Tinha dito que os primeiros comunicados sobre sua decisão seriam os jogadores. Na última quarta-feira, após a vitória sobre o Ituano, disse que os torcedores poderiam "dormir descansados" e que sua decisão já estava tomada.

"Não vou trocar o Palmeiras por um time de meio de tabela. Quero estar onde eu lute por títulos. E o Palmeiras me dá essas condições e outras mais, como desenvolver e potencializar jogadores", disse, recentemente. 

O inquieto, exigente e estudioso treinador de 43 anos já tem 111 jogos no comando do Palmeiras. São 63 vitórias, 27 derrotas e 21 empates. Nesse período, sob o seu comando, o time marcou 171 gols e sofreu 90. A equipe avançou invicta ao mata-mata do Paulistão, com a melhor campanha entre os 16 times.

Caso cumpra o novo contrato até o final, Abel se tornará também o técnico com maior longevidade no comando alviverde. O atual recordista no quesito é Brandão, com três anos e oito meses consecutivos entre novembro de 1971 e julho de 1975.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.