REUTERS/Carla Carniel
REUTERS/Carla Carniel

Abel Ferreira acredita em Veiga na seleção e elogia Rony no Palmeiras: 'Eu o amo'

Técnico avalia que bom desempenho do meia vai levá-lo em breve à lista de Tite

Redação, Estadão Conteúdo

14 de maio de 2022 | 20h26

Abel Ferreira iniciou a coletiva de imprensa logo após a vitória do Palmeiras por 2 a 0 em cima do Red Bull Bragantino, no Allianz Parque, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, exaltando os seus comandados. O treinador falou que o time alviverde foi o justo vencedor do duelo.

"Acho que fomos justos vencedores. Nosso segundo gol tinha que ter saído mais cedo. O Palmeiras é como um martelo. Dá tudo até o fim. Foram dois gols, mas poderia ter sido mais. Foram detalhes que faltaram para não fazer mais. Na verdade, fizemos três gols (um foi anulado). Na minha opinião, foi uma boa partida nossa", afirmou o treinador.

Abel Ferreira ainda exaltou o time do Red Bull Bragantino, assim como fez durante o Campeonato Paulista. "Já disse várias vezes que gosto muito dessa equipe (Bragantino). Eles vem dividir o jogo, vem para jogar. Parabéns ao Bragantino. Tem excelentes jogadores, um ótimo treinador. É uma equipe que joga sem muita pressão do resultado, é mais para vender e formar jogadores, mas gosto de jogar contra esse tipo de equipe", completou.

Apesar da vitória que deixou o Palmeiras com nove pontos na tabela de classificação, Abel Ferreira não perdeu tempo para alfinetar a arbitragem. "Se tiver que dar 7 minutos por causa das substituições, então que façam isso sempre. Eu não entendi os 7 minutos. Fui até perguntar: ‘Conseguem me explicar por que um time que veio aqui jogar para ganhar, que não veio aqui jogar para não perder, vocês dão 7, e contra o Fluminense vocês dão 5? Fiquei maluco", concluiu.

Abel Ferreira também aproveitou o momento para falar sobre Raphael Veiga, principal destaque do time na temporada. O treinador afirmou que será uma questão de tempo para o atleta ser convocado para a seleção brasileira.

"O Brasil tem muitos e bons jogadores. Acredito mesmo que, quando todos deixarem de falar que o Veiga tem que ir, ele vai. Não sei quando, mas vai. Só tem que continuar fazendo o que faz, a jogar o que joga, a correr o que corre. É questão de tempo. Claro, se as pessoas começarem sempre a falar nisso, não sei a forma que pensa o selecionador. Eu tenho a certeza que, se mantiver essa bitola (pensamento), é só uma questão de tempo", explicou.

O treinador português também aproveitou a coletiva para falar de carências da equipe do Palmeiras. O treinador elencou todos os jogadores que compõem o grupo e ressaltou a grande presença de jovens atletas vindos da categoria de base. Rony, por jogar improvisado como centroavante, foi elogiado por Abel.

"Temos em centroavante 'emprestado' que é o Rony. Quando eu cheguei, ele era ponta. Se perguntarem a ele onde quer jogar, o Rony vai dizer que gosta de jogar mais na 7 (ponta). Mas a equipe precisa dele ali (como centroavante). No ano passado, veio uma oferta de 6 milhões de euros para levá-lo para a Europa e pedi: 'Por favor, não me tirem esse jogador'. Uns gostam, outros não, mas eu o amo", declarou o português.

No Brasileirão, o Palmeiras volta a campo diante do Juventude, neste sábado, às 19h, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.