César Greco / SE Palmeiras
César Greco / SE Palmeiras

Abel Ferreira cunha lema do Palmeiras na temporada: 'contra tudo e contra todos'. Entenda

Treinador manda recado aos setores do clube, inclusive para a torcida, sobre o calendário, suas ideias e jeito de trabalhar após período de críticas

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2021 | 11h58

Abel Ferreira cunhou novo lema no Palmeiras para a temporada após seu time golear o Del Valle, no Allianz Parque. Ele abandonou o "todos somos um" de 2020 para lançar o provocador "contra tudo e contra todos" de 2021. Aos poucos, o treinador vai conhecendo um pouco mais do futebol brasileiro e de seus personagens, como os torcedores e membros da opisição no clube, para dar seus passos. Ocorre que Abel não é adepto da condição de "pisar em ovos" em situações mais delicadas. Ele vai para cima e foi isso que fez.

Seu recado não tem alvo, portanto, pode atingir qualquer um. Ele foi pressionado pelos maus resultados das partidas no Campeonato Paulista Sicredi 2021, teve de aceitar atuar a cada 48h, mesmo a contragosto, esticou suas férias em Portugal e perdeu a preparação da equipe. E ainda andou colocando seu auxiliar para falar em seu lugar, como ocorreu após a derrota do Palmeiras para o Mirassol em casa.

O combo mandou o treinador para o paredão. Dentro de campo, o Palmeiras deixou escapar duas taças, da Recopa e da Supercopa, nas cobranças de pênaltis, com chances de ganhar ambas. E agora corre risco de não se classificar para a fase aguda do Estadual. As cobranças existem. Houve ainda conversas com a diretoria no sentido de baixar a adrenalina à beira do gramado, de modo a evitar os cartões e não desfalcar o time. Ele tem sido expulso com alguma frequência e isso passou a incomodar dos dirigentes, que avaliam que as reclamações poderiam ser evitadas. Ele conversa demais com a arbitragem. Pressiona. Contra o Del Valle, na goleada de 5 a 0, recebeu mais um amarelo pelo mesmo motivo.

Abel viu ainda os muros do clube serem pixados após tropeços em jogos e taças perdidas. Ainda não tinha sentido esse dissabor desde que assumiu o clube no lugar do ano passado e levou o Palmeiras às conquistas históricas da Libertadores e Copa do Brasil. As evidências podem ser novas para o portuguê, mas não são para os treinadores do futebol brasileiro.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Ninguém quer vencer mais do que eu. Nem as minhas filhas eu deixo ganhar quando jogamos. Eu quero ganhar todos os jogos, seja onde for e contra quem for
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Abel Ferreira, técnico do Palmeiras

Após ganhar do Del Valle, o técnico tratou de dar seu recado. "O Palmeiras vai ser neste ano contra tudo e contra todos". De modo geral, respondia a todos aqueles que se colocaram em seu caminho antes da partida em que viu seu time fazer cinco gols e não sofrer nenhuma. Esperou o momento certo para contra-atacar. Suas palavras farão eco em todos os setores do clube. Foi de caso pensado. Não citou nomes. Nem precisava. Dirigentes, torcedores e até jogadores passam a conhecer melhor o treinador. Ele quer tirar a pressão do elenco.

Usou ainda de um momento particular da família para afirmar sua disposição de ganhar sempre. "Ninguém quer vencer mais do que eu. Nem as minhas filhas eu deixo ganhar quando jogamos. Eu quero ganhar todos os jogos, seja onde for e contra quem for", disse Abel ainda no Allianz Parque. 

Com a declaração, somada à vitória esmagadora e boa classificação na Libertadores (duas vitórias em dois jogos), o técnico português manda o recado de que está no comando e sabe exatamente o que faz. Espera não ter problemas, por exemplo, quando escala reservas e garotos para disputar o Campeonato Paulista. Suas ideias estão conectadas com a do presidente Maurício Galiotte, excepcionalmente num período sem público nos estádios, sem dinheiro, com redução de elenco e tendo de jogar a cada 48 horas.

O Palmeiras, por exemplo, joga nesta quinta-feira pelo Regional. Corre o risco de ficar fora das fases decisivas. Abel espera ter respaldo se isso acontecer. Sua defesa é mirar conquistas maiores, como a própria Libertadores e voltar para o Mundial de Clubes da Fifa. Não vai abrir mão de suas ideias e ideais. Sabe que não será unanimidade no Palmeiras nem no futebol brasileiro, mas isso ele já descobriu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.