Andre Penner/AP
Andre Penner/AP

Abel Ferreira entra para rol dos técnicos mais vitoriosos na história do Palmeiras

Português, com a conquista da Recopa, pula para quarto posto na lista que é liderada por Vanderlei Luxemburgo

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2022 | 05h00

O título da Recopa Sul-Americana em cima do Athletico-PR colocou Abel Ferreira no rol dos cinco treinadores mais vitoriosos da história do Palmeiras. Com a quarta taça sob o comando do time alviverde em menos de um ano e meio, o português aparece no quarto lugar da relação, ao lado dos uruguaios Humberto Cabelli e Ventura Carbon, comandantes que foram campeões entre as décadas de 1930 e 1950.

Vanderlei Luxemburgo lidera a lista, com oito títulos, Oswaldo Brandão é o segundo, com sete, e Luiz Felipe Scolari aparece no terceiro posto graças às suas seis conquistas. Mas nenhum deles está à frente de Abel em conquistas internacionais. O português tem três troféus e já superou Felipão, fã do profissional que já foi seu jogador. Em entrevista recente, o experiente técnico disse que considera o português o maior treinador da história do Palmeiras.

"O Abel chegou e a gente está ganhando tudo. A filosofia dele é conquistar cada vez mais e seguir fazendo história", disse o capitão Gustavo Gómez a respeito de seu comandante. "É com certeza um dos melhores treinadores da história do Palmeiras", reforçou.

Abel ostenta quatro troféus em oito finais disputadas em um curto período: apenas um ano e quatro meses. Ganhou a Copa do Brasil de 2020, as duas últimas edições da Libertadores e agora a Recopa, cujo título havia escapado no ano passado, quando sua equipe perdeu a decisão para o Defensa y Justicia nos pênaltis. Com o comandante, o Palmeiras também foi vice da Supercopa, Paulistão e Mundial de Clubes. 

Ampliando o recorte, a taça da Recopa é a oitava que o Palmeiras ganha desde 2015, quando teve início a parceria com a Crefisa, sua principal patrocinadora e cuja dona agora preside o clube. Nesse período, só não levantou troféus em 2017 e 2019. "Temos um grupo unido, com fome de glória e mente ganhadora sempre", enalteceu Gómez.

Abel não deu entrevista após a vitória por 2 a 0 que garantiu a conquista da Recopa porque foi expulso nos acréscimos em decorrência de uma confusão com membros da comissão técnica do Athletico-PR, que não gostaram da comemoração efusiva do português. Alberto Valentim, técnico do clube paranaense, chamou de "idiotice" a maneira como celebrou o segundo gol o comandante palmeirense.

O inquieto, exigente e estudioso treinador de 43 anos já tem 104 jogos no comando da equipe. São 57 vitórias, 27 derrotas e 20 empates nesse período. Resta saber quais os próximos capítulos da história do técnico português no Palmeiras. Seu contrato se encerra no fim deste ano. Valorizado, ele ganhou aumentou mas preferiu não prorrogar o vínculo.

Se vierem mais títulos, com eles deve vir um nova edição de "Cabeça fria, coração quente", livro que Abel lançou com seus auxiliares e no qual detalha suas vivências e aprendizados no Palmeiras. "Vamos esperar para ganhar mais competições para fazer a segunda versão", avisou o auxiliar João Martins.

Com Abel à beira do gramado, o Palmeiras tem compromisso no fim de semana pelo Campeonato Paulista. No domingo, às 16h, encara o Guarani, no Allianz Parque, pela décima rodada do torneio estadual.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.