Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Abel Ferreira garante que Palmeiras jamais deixará de lutar sob seu comando

Mesmo jogando abaixo do esperado diante do Guarani, time alviverde venceu, o que minimiza as cobranças neste início de temporada

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2021 | 09h46

O Palmeiras voltou a jogar abaixo do esperado diante Guarani, na sexta-feira à noite. Mas ganhou, o que minimiza as cobranças neste início de temporada de altos e baixos. Ciente que o futebol ainda está longe do esperado, Abel Ferreira garante que, mesmo não indo bem, o time jamais deixará de lutar e se empenhar sobre sua direção.

O técnico sabe que é questão de tempo para recolocar o Palmeiras no trilho. Tem ciência que o time vai embalar e prefere sair em defesa de seus jogadores enquanto isso não ocorre. Os titulares ainda jogaram pouco após temporada passada desgastante e alguns dias de férias.

"Quero que as pessoas entendam que, enquanto eu for o treinador, a equipe não vai ganhar todos (os jogos). Mas vai lutar em todos", disse o treinador, enfático. "E dizer para as pessoas que criticam que o nosso Zé (Rafael) esteve muito bem. É um guerreiro, um campeão. E nem Deus agradou a todos", observou, defendendo o meia que entrou no segundo tempo e deu o passe para o gol da virada.

Recuperado de lesão e de volta após trabalho especial de preparação, o meia pode ter mais chances na equipe para resgatar o futebol que o destacou na equipe titular.

Além de Zé Rafael, os meninos da defesa também vêm ganhando pontos com o chefe português. "(Henri) É um miúdo (jovem) com muito potencial, que esteve lesionado por seis meses. É preciso ter coragem para apostar nos jovens", enfatizou. "Isso que gostaria que valorizassem. A aposta que fazemos nos jovens. Vestir esse símbolo é muito pesado."

Aproveitou para também endeusar Renan. "Ele tem se portado bem. E dou parabéns para ele. Além de grande jogador, aproveito para dar parabéns aos pais. Um grande homem, grande exemplo para nós."

Depois de ameaçar ir embora, o técnico viu crescer a campanha #fechadocomabel na internet e se empolgou. "Onde há verde, há vida. Gosto de estar onde querem que eu esteja. Gosto de estar com os meus jogadores, com a família que arranjei no Brasil. Gosto de ficar com os torcedores positivos. Onde há verde, há vida. É onde quero estar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.