César Greco / Agência Palmeiras
César Greco / Agência Palmeiras

Abel Ferreira lamenta desfalques e vê como injustas as perdas por convocação

Palmeiras terá que jogar sem Weverton, Gabriel Menino, Gustavo Gómez e Matías Viña nas próximas partidas

Redação, Estadão Conteúdo

09 de novembro de 2020 | 05h00

O Palmeiras venceu o Vasco, no domingo, no Rio de Janeiro, e chegou a seis vitórias consecutivas somando Copa Libertadores, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. Esse embalo agora será colocado à prova devido à sequência de jogos e ao grande número de desfalques nas próximas duas semanas.

O técnico português Abel Ferreira já não contaria com quatro jogadores convocados para a disputa das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 pelas suas respectivas seleções entre os dias 12 e 17 deste mês. O clube irá ceder Gabriel Menino e Weverton para o Brasil, Viña para o Uruguai e Gustavo Gómez para o Paraguai.

“Como é possível que os clubes paguem tanto e tenham que ficar sem os seus melhores jogadores? Não sei como isso funciona, nem quem toma essas decisões. Ainda vou ter que me inteirar sobre isso. Mas de fato é duro porque temos ambições, lutamos por títulos, e ficar privado de seus melhores jogadores não é justo porque a cobrança é grande”, comentou Ferreira.

Além dos convocados, o Palmeiras provavelmente perderá o volante Felipe Melo, por lesão. O capitão deixou o gramado de São Januário carregado pelos companheiros, usando uma bota ortopédica e com expressão de dor depois de levar a pior em uma dividida durante o segundo tempo. O atacante Luiz Adriano também pediu para ser substituído alegando problema muscular. Os dois ainda serão avaliados.

Para o treinador, o gramado de São Januário pode ter contribuído para o desgaste e um maior risco à integridade física dos atletas palmeirenses. O português não poupou críticas e mencionou o mau estado do campo vascaíno em mais de uma oportunidade durante a entrevista coletiva.

“Nós tivemos dois adversários. Um foi o Vasco, com sua competência defensiva e sua qualidade. E o segundo foi a grama. Espero não ter perdido mais ninguém. Vamos fazer o rescaldo do jogo para ver se não perdemos, porque de fato o gramado estava em péssimas condições. Desculpem dizer isso, mas já há muito tempo que eu não jogava em um campo assim”, afirmou Ferreira.

Apesar da reclamação, o treinador fez questão de demonstrar muita confiança no elenco alviverde e elogiar a participação dos jogadores que têm saído do banco. “Quem entrou, entrou muito bem. Há que se notar essa alma e esse espírito da equipe. Quem entrou de início entrou para ganhar, e quem entrou a seguir entrou para acrescentar e para ajudar. Essa é a alma de uma equipe e quando o treinador sente isso, este é o caminho. A equipe está com muita alma e muita atitude”, destacou o técnico.

O Palmeiras volta a campo nesta quarta-feira contra o Ceará, no duelo de ida pelas quartas de final da Copa do Brasil. Na sequência, também como mandante, enfrentará o Fluminense pelo Brasileirão, no sábado. Depois, define a vaga diante dos cearenses no dia 18, em Fortaleza.

“Não sou treinador de chorar não. Sou de olhar para dentro, ver as soluções que temos, acreditar no nosso plantel. Quem está fora da equipe quer a oportunidade de mostrar o seu valor. Está aí a oportunidade. É verdade que estamos trabalhando contra o tempo, mas acredito nos jogadores que temos”, concluiu Ferreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.