Cesar Greco/Palmeiras
Cesar Greco/Palmeiras

Abel Ferreira se revolta com arbitragem e faz desabafo: 'Me sinto perseguido'

Treinador elenca erros de Wilton Pereira Sampaio e afirma que o juiz goiano agiu com prepotência e arrogância no duelo com o Atlético-MG

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2022 | 20h02

Abel Ferreira sentou na cadeira da sala da coletiva de imprensa do Allianz Parque chateado e, sobretudo, revoltado. Era possível notar em seu semblante, antes mesmo de começar a falar, que algo o incomodava. A razão de sua insatisfação foi a atuação do Wilton Pereira Sampaio. O treinador do Palmeiras explicou sua ira com o árbitro. Ele afirmou que o juiz goiano agiu com prepotência e arrogância no empate sem gols com o Atlético-MG e disse se sentir perseguido.

Abel foi advertido com o cartão amarelo depois de reclamar que Hulk não havia sido punido por falta em Piquerez, matando o contra-ataque do Palmeiras. Outros lances também revoltaram o treinador.

"Fico danado porque tomei amarelo quando só disse que era falta, e ele veio com aquela arrogância toda. Em seguida, o capitão, tenho o máximo respeito ao Hulk, mas ele xingou de cima abaixo o fiscal de linha e ele (árbitro) não teve coragem de dar o amarelo", começou o treinador.

"Começo a sentir que é perseguição. Sei que vocês gostam disso, vai dar página, mas me sinto perseguido pelos árbitros brasileiros. Especificamente por esse senhor, que faz o melhor que sabe e pode. Senti intencionalidade dele hoje", desabafou o português, que disse estar "puto" com a arbitragem.

"Não quero que nos ajude, mas não quero que nos prejudique. Hoje vi intencionalidade dele. Se meu amarelo contra o Juventude foi justo, hoje digo que foi arrogância e prepotência do árbitro", justificou.

Abel viu injustiça no empate. Se tivesse um vencedor, na opinião do português, deveria ter sido o Palmeiras, que fez, na sua visão, um jogo inteligente. "Fomos uma equipe competitiva e hoje deveríamos ter levado os três pontos. Infelizmente, não conseguimos converter as cinco oportunidades que tivemos. Se tivesse um vencedor hoje, deveria ter sido o Palmeiras", opinou. O técnico ficou contente com o desempenho defensivo, sobretudo de Luan, de volta após quatro meses. A defesa foi "intransponível", ele disse.

"Estou chateado porque deveríamos ter ganhado esse jogo. Nós mantivemos ritmo e intensidade à procura do melhor resultado. Fizemos um jogo interessante e competitivo".

O próximo compromisso do Palmeiras, vice-líder do Brasileirão, está marcado para quinta-feira, às 19h, novamente no Allianz Parque. O adversário é o Botafogo, em duelo da décima rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.