Maílson Santana/ Fluminense FC
Maílson Santana/ Fluminense FC

Abel Hernández valoriza gol marcado e ressalta importância de conquistar título sobre rival

Vitória no próximo sábado dará título para equipe das Laranjeiras; caso placar de igualdade se repita, decisão irá para os pênaltis

Redação, Estadão Conteúdo

15 de maio de 2021 | 23h56

Abel Hernández deixou o gramado do Maracanã como o herói do empate do Fluminense, que saiu perdendo, porém, buscou a igualdade no segundo tempo. Para ele, mais importante do que o gol é conquistar o título carioca ainda mais em cima do rival Flamengo.

"O importante é buscar o título. É um jogo complicado, de muita disputa, mas temos que dar tudo para vencer", disse o atacante, lembrando que ainda faltam 90 minutos do segundo jogo, de novo no Maracanã, no próximo sábado.

A fórmula para ser campeão, segundo Abel, é jogar como o Fluminense fez no segundo tempo deste primeiro duelo. "É manter a pressão no ataque. Fizemos isso no segundo tempo e funcionou bem. Foi uma partida difícil, mas o título está aberto", completou.

O zagueiro Nino destacou que a reação neste primeiro jogo é uma prova de que o Fluminense pode buscar o título que não comemora desde 2012. "Clássico é um jogo pegado, mas ninguém vai ganhar da gente no grito. Eles não vão ganhar na reclamação e na briga. Temos que nos concentrar somente no jogo e no título", afirmou.

O clima esteve quente durante os 90 minutos, com muitas faltas e muitos cartões amarelos. Mas a discussão clara aconteceu no túnel na saída para os vestiários. Fred gritou muito contra Cacau Mota, vice-presidente do Flamengo, e os dois só não saíram no tapa devido ao grande contingente de seguranças dos dois clubes.

Fred, que tinha sido substituído no segundo tempo, já vinha batendo boca, junto com Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, contra alguns jogadores e dirigentes do Flamengo. Promessa de um segundo jogo muito mais quente no próximo sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.