Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Abel promete trabalhar 'parte mental' do Palmeiras para avançar na Libertadores

Após perder para o Corinthians por 2 a 1 em Itaquera, time alviverde viaja até Minas onde pega o Atlético no meio de semana

Redação, Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2021 | 09h25

Após se mostrar insatisfeito com a postura adotada pelo Palmeiras em alguns momentos durante a derrota por 2 a 1 para o Corinthians, no sábado, o técnico Abel Ferreira acredita que precisa focar na preparação psicológica dos jogadores antes do próximo jogo, que é decisivo. Nesta terça-feira, os palmeirenses estarão em campo no Mineirão, onde enfrentam o Atlético-MG no jogo de volta da semifinal da Copa Libertadores, após empate sem gols no primeiro encontro.

"Estaremos prontos para o próximo jogo, confiantes, vamos trabalhar a parte mental. É um jogo que decide uma final da Libertadores. No ano passado vencemos, e este ano vamos defendê-la com unhas e dentes, jogando contra um equipe cascuda, que fez um investimento muito grande, mas nós com nossa inteligência, nossos recursos vamos procurar entrar competitivos. Nosso objetivo é estar na final da Libertadores", enfatizou.

Assim como já fez em outras oportunidades, o técnico português falou sobre como considera frágil o preparo mental da maioria dos jogadores brasileiros. Por isso, reforçou o quanto esse fator será importante para conseguir a classificação, ainda mais depois de uma derrota em um clássico.

"O jogador brasileiro, em termos de capacidade física, talento e técnica, tem de sobra, são muito talentosas, mas a capacidade de lidar com as adversidades, com os obstáculos, é uma aspecto que é preciso melhorar", disse. "O que faz a diferença é o que está aqui no meio das duas orelhas. Quando é focado, é concentrado e é competitivo, competir para ganhar é tudo", completou.

Abel também destacou a conversa que teve com Cuca, técnico do Atlético-MG, antes do início da primeira partida, e disse esperar um jogo equilibrado. "Ele (Cuca) veio falar comigo, e agradeço as palavras, é um treinador muito experiente, eu sou muito mais jovem que ele. Ele disse: que seja um bom jogo, se estamos os dois aqui é porque as equipes são boas", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.