Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Abel vê só Flamengo mais forte do que o Flu no Rio, mas admite temor com defesa

Treinador adota discurso de tranquilidade mesmo com debandada de jogadores

Estadão Conteúdo

16 Janeiro 2018 | 14h14

O futuro do Fluminense preocupa o torcedor em razão da saída de vários jogadores que eram referência do elenco, como o meia Gustavo Scarpa, o zagueiro Henrique e o goleiro Diego Cavalieri, e o risco de perder outras peças, como o atacante Henrique Dourado. O técnico Abel Braga, porém, tenta adotar um discurso de mais tranquilidade e acredita que o time poderá ser competitivo no Campeonato Carioca.

+ Após desabafo de Dourado, presidente do Fluminense admite liberar o atacante

Na avaliação do treinador, apenas o Flamengo larga no torneio estadual à frente do Fluminense. Ele alerta, porém, que o time vai sofrer na sua estreia, nesta quarta-feira, às 16h30, diante do Boavista, em Saquarema, pelo pouco tempo de preparação para o compromisso e pelo desgaste por causa da viagem aos Estados Unidos para Florida Cup.

"Temos que pensar daqui para frente. A estreia com certeza será um jogo muito complicado para nós. Vamos chegar em condições bem melhores para o jogo contra o Botafogo. Contra o Boavista, vamos buscar o melhor resultado possível. Em relação à minha expectativa para o campeonato, tirando o Flamengo que tem um time pronto, o Fluminense está na mesma condição que os outros", afirmou.

Após perder nos pênaltis para o PSV Eindhoven na última sexta-feira, depois de empate por 1 a 1, o time perdeu por 3 a 1 para o Barcelona de Guayaquil na segunda. E Abel exibiu incômodo pelo excesso de gols sofridos pelo Fluminense, em uma repetição dos problemas de 2017, quando o time teve a terceira pior defesa do Campeonato Brasileiro.

"É uma coisa que aborrece muito, porque, mesmo com o problema dos desfalques, continuamos sofrendo muitos gols. Temos que terminar com isso. Mas, dentro das possibilidades, com o número de jogadores que nós tínhamos, não foi mal. Tudo para nós ficou complicado pela antecipação do jogo com Boavista, nossa logística foi toda por água abaixo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.