Aborrecido, Belletti prefere se isolar

Se a situação do lateral Belletti no São Paulo já não era das melhores antes da sua apresentação na seleção brasileira, por estar na reserva de Gabriel, a atuação pouco destacada no jogo contra a Islândia só piorou a sua perspectiva. Na tarde desta sexta-feira, no Centro de Treinamento do clube, o jogador não quis saber de conversa. Preferiu isolar-se no alojamento para evitar qualquer contato com a imprensa. No único comunicado que fez, cerca de uma hora após o fim das atividades físicas, mandou um funcionário avisar que não falaria. A tática foi semelhante à do atacante França. O jogador também não quis se manifestar e, após o encerramento de seu trabalho, foi direto para o estacionamento do CT e saiu às pressas. O meia Kaká, único a falar entre os atletas do São Paulo que estiveram na seleção, confirmou que tanto Belletti quanto França saíram de campo insatisfeitos com a própria atuação. "Eles ficaram chateados porque o desempenho não foi o que eles esperavam. Os dois queriam agradar mais ao treinador", contou o meia. Tentando ser otimista, Kaká ressaltou que a performance contra a Islândia não deveria ser motivo para os dois jogadores darem como perdida a luta por uma vaga na Copa do Mundo. "O sonho não pode acabar por causa de um só jogo", justificou. O abatimento de França pode ser um problema para o técnico Nelsinho Baptista na preparação para o clássico contra a Portuguesa, no domingo. Em outras situações negativas, o jogador não conseguiu evitar que o desânimo afetasse seu rendimento e a recuperação só veio após algumas rodadas. Belletti, que costuma pelo menos esboçar uma tentativa de reação em situações parecidas, não terá sequer esta oportunidade, pois o treinador são-paulino já adiantou que o jogador permanecerá na reserva. O jeito será iniciar uma luta nos treinos para provar que pode voltar a ser titular. Compensação - Como contraponto, Nelsinho poderá ter dois jogadores embalados. O entusiasmo de Kaká após a partida contra Islândia era evidente. O jogador saiu com a sensação de que "subiu um degrau" e está mais próximo do grupo do técnico Luiz Felipe Scolari que irá Mundial. Outro que tem todos os motivos para estar motivado é o goleiro Rogério Ceni, que durante a semana teve de enfrentar a incômoda situação de ser cortado da seleção por contusão no tornozelo direito. O jogador chegou a treinar nesta sexta-feira, mas ainda não sabe se terá condições de jogo. "Consegui treinar mas senti muitas dores", admitiu o jogador, que deverá fazer de tudo para participar do clássico e ficar mais perto de ter seu nome na convocação que será divulgada na terça-feira.

Agencia Estado,

08 Março 2002 | 19h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.