Abuda marca e Corinthians vence o Guarani

O garoto Abuda confessou não ter conseguido dormir na noite de sexta-feira para esta sábado. Estava ansioso, pois horas depois começaria pela primeira vez uma partida como titular da equipe principal do Corinthians. Aproveitou a insônia para sonhar acordado, como todo jovem ? tem 17 anos ? cheio de esperança e de planos. Imaginava-se marcando o gol que daria a vitória a seu time. Veio o jogo e ele transformou o seu sonho em realidade. Marcou, de cabeça, o gol do triunfo Corinthians sobre o Guarani por 1 a 0, neste sábado, no Pacaembu.Um gol bonito, com estilo. Aos 28 minutos do primeiro tempo, ele se meteu no meio da zaga do Guarani e escorou de cabeça o cruzamento de Fabinho da esquerda. Um toque consciente, no canto esquerdo, tirando a bola do alcance do goleiro Jean. ?Já sonhava com isso (o gol). Deus me deu essa oportunidade e eu só conseguia pensar na partida??, disse Abuda, no intervalo, com alegria juvenil.Em campo, Abuda deslocou-se por todo o ataque, protagonizou boas jogadas (numa delas, no segundo tempo, arrancou em velocidade, driblou dois marcadores, mas, na frente do goleiro, já sem forças, chutou fraco) e até fez ?graça? ? um drible a mais, desnecessário, numa jogada no início da etapa final. Algo perdoável num menino, até porque ele fez boa partida, o que a torcida reconheceu, aplaudindo-o quando foi substituído por Jô, aos 41 minutos do segundo tempo. Abuda ficou encabulado, mas acenou em retribuição.Abuda, que fazia sua segunda partida no time principal ? entrou no segundo tempo no empate por 1 a 1 com o Goiás ? se destacou. Mas todos os garotos colocados neste sábado no time por Geninho se saíram bem. Betão e Marquinhos deram conta do recado na zaga, inclusive nos 30 minutos finais da partida, quando o Guarani cresceu e atacou com perigo. E Moreno não comprometeu na lateral-esquerda.Evidentemente, foi apenas um jogo. E nenhum deles teve atuação brilhante ? a partida, aliás, foi fraca tecnicamente. É cedo para uma análise mais profunda sobre as possibilidades desses garotados. Mas, como disse o técnico Geninho ?eles entraram na fogueira e mostraram personalidade??.Por isso, o Corinthians mereceu a vitória. E também porque, no primeiro tempo, o Guarani pareceu ter subestimado o adversário. Deu espaços, pouco criou e nos seus mirrados ataques, parou na zaga adversária e no volante Cocito, que atuou como um verdadeiro guarda-costas de Betão e Marquinhos, e também de Rogério, que saiu bastante, atuando como um ala.Na fase final, o Guarani melhorou, passou a dominar o meio-campo a partir dos 20 minutos ? o Corinthians recuou demais ?, mas não teve força ofensiva para chegar ao empate. E quando conseguiu concluir, parou num forte obstáculo: o seguro goleiro Rubinho.Com a vitória, o Corinthians alcança 28 pontos e melhora sua situação no Brasileiro. O Guarani permanece com 25. Na quarta-feira, o time de Parque São Jorge vai a Salvador enfrentar o Bahia. Os campineiros recebem o Atlético-PR.

Agencia Estado,

19 de julho de 2003 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.