Acaba impunidade de torcedores

O Juizado Especial Criminal, que funcionou domingo pela segunda vez no Maracanã, determinou uma punição para 52 torcedores que estiveram no estádio para ver o Fla-Flu: eles estão proibidos de comparecer a qualquer jogo do Campeonato Brasileiro de 2003. O juiz Murilo Kieling considerou o balanço do clássico bastante positivo. "A notícia vai-se espalhar: acabou a impunidade dos torcedores que vão ao Maracanã para brigar", disse. Ele esteve no estádio em companhia do promotor Alexandre Temístocles, do defensor-público Américo Grilo e de policiais militares e civis, além de peritos do Instituto Médico Legal. O grupo teve trabalho intenso desde o início da tarde de domingo. Todos os 52 torcedores punidos não apresentavam antecedente criminal. Eles envolveram-se em brigas dentro e fora do Maracanã. Alguns portavam bombas de fabricação caseira. O juizado decidiu também que eles terão de comparecer às delegacias mais próximas de suas casas durante o andamento dos três próximos jogos de Flamengo ou Fluminense, para registro no livro de ocorrências. Em meio aos distúrbios de rua, antes da partida, três torcedores com ficha penal foram encaminhados à Polinter, órgão da Polícia Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.