Washington Alves/Light Press
Washington Alves/Light Press

Acertado com futebol turco, Riascos só pode sair do Cruzeiro se pagar R$ 3 milhões

Atacante colombiano tem contrato com o Adanaspor, mas precisa pagar multa

O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2016 | 11h33

O atacante Riascos pode, enfim, conseguir resolver sua situação com o Cruzeiro. No entanto, para obter o que quer - desligar-se do clube mineiro e seguir carreira -, ele terá mais dificuldades do que esperava. Isso porque ele conseguiu liminar na Justiça do Trabalho que o permite ficar livre para procurar outro time, contanto que pague multa ao Cruzeiro no valor de R$ 3,2 milhões até o próximo domingo.

A situação é favorável para o jogador, que acionou o Cruzeiro pedindo R$ 5 milhões por danos morais, além da quebra do contrato para poder seguir seu rumo no Adanaspor, da primeira divisão da Turquia. No entanto, a decisão da Justiça não é a mais ideal para o ex-atacante do Vasco.

O jogador colombiano até poderá ganhar a segunda parte de sua requisição, o encerramento do vínculo. Porém, além de não receber nenhum valor do Cruzeiro (pelo contrário, precisa pagar ao clube mineiro para poder sair), Riascos precisa depositar o valor ainda nesta quarta-feira, data que a janela de transferências da Europa se encerra. Depois disso, ele somente poderá ir para outros centros do futebol do exterior.

Riascos foi afastado do elenco do Cruzeiro depois de xingar o clube na saída do campo na derrota para o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro. O jogador negou a ofensa, alegando estar de 'cabeça quente' e ter proferido as palavras 'em referência ao próprio futebol'. Sem conseguir convencer os dirigentes de Minas, ele decidiu processá-lo por danos morais e pedindo, ainda, uma compensação pelo tempo de contrato que restava.

O atacante viveu a melhor fase em solo brasileiro atuando pelo Vasco, emprestado até a metade da temporada. Sem acordo para compra ou renovação do empréstimo, teve de voltar ao Cruzeiro, mesmo contra sua vontade. O time mineiro alegou, por meio de sua assessoria, que irá respeitar a decisão da Justiça e aguardar o pagamento do jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.