Acesso consolida carreira de Zetti

O ano de 2004 foi o que colocou o ex-goleiro Zetti definitivamente no hall dos bons treinadores do futebol brasileiro. No comando do Fortaleza, o treinador conseguiu, no último sábado, levar a equipe cearense de volta à Primeira Divisão, após a vitória por 2 a 0 sobre o Avaí, pelo quadrangular final da Série B do Brasileiro, e mostrar que a conquista do vice-campeonato paulista à frente do Paulista, de Jundiaí, não foi por acaso."Foram 13 jogos com a minha participação. Quando eu comecei, direcionei todo o trabalho para os quadrangulares finais. Tínhamos de ser melhores que duas equipes. E deu certo", conta Zetti. O treinador assumiu o Fortaleza no dia 16 de setembro, após uma passagem muito apagada pelo Guarani - a má campanha do time campineiro culminou com a sua demissão."Cheguei ao Fortaleza e vi que os jogadores estavam sem orientação. Procurei consertar isso. O grupo era bom, tinha qualidade e condição de chegar", relembra.Zetti conta que, apesar do desânimo que encontrou nos jogadores quando assumiu o cargo, tinha a certeza de que o grupo poderia reagir. "Eu vi, enquanto dirigia o Paulista (antes de treinar o Guarani, Zetti trabalhava no time jundiaiense), que o Fortaleza era uma equipe boa, com jogadores competentes. Era só colocar na cabeça deles que tínhamos um objetivo. Cheguei e foi isso que aconteceu. Precisava organizar a equipe. O potencial era grande, contava com o apoio da torcida. Claro que era difícil conseguir uma vaga, até porque havia equipes como o Bahia, o Náutico, o Santa Cruz e o Ituano brigando nos quadrangulares", observa. "A harmonia do grupo foi fundamental para que obtivéssemos a classificação. Juntei o grupo e coloquei na cabeça deles qual seria a meta."O futuro ainda é incerto para o treinador. Se vai ficar no Fortaleza ou se vai para alguma outra equipe é uma decisão que Zetti tomará somente após o domingo, quando termina o Campeonato Cearense. O Fortaleza disputa os dois jogos finais do torneio contra o rival Ceará - a primeira partida é amanhã."Ele só sai se quiser", diz Ribamar Bezerra, que será eleito presidente do clube no dia 23."Tudo vai depender da conversa que teremos com a diretoria. Por enquanto, eu não tenho nada certo. De repente, posso voltar a trabalhar no futebol de São Paulo", revela Zetti, sem citar possíveis interessados. "Mas por enquanto, sinceramente, eu ainda não conversei com a diretoria sobre isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.