Acosta: apoio total e alívio após marcar um gol de 'taco'

Uruguaio diz não estar preocupado com as poucas vaias que recebeu; Mano Menezes reforça apoio a ele

24 de janeiro de 2008 | 00h42

Um gol de 'taco'. Ou de letra, em bom português. É assim que o meia-atacante Acosta conta que se chama o belo gol que fez nesta quarta-feira pelo Corinthians na vitória por 2 a 0 sobre o Paulista, aproveitando um cruzamento de Alessandro. Ele aproveitou o acerto para reforçar a confiança em seu próprio desempenho, citando as vaias que chegou a receber durante a partida.Veja também: Corinthians se reabilita com 2 a 0 sobre o Paulista"Foi normal [a vaia], esperam muito de mim [os torcedores]. Ainda não estou 100%, todos vocês sabem, fazer este gol serviu para mostrar que estou em condições de jogar. Fiquei cinco dias treinando só físico. Fiz o que pude fazer e fiz um belo gol. Foi um gol de taco", disse Acosta, com seu carregado sotaque de uruguaio. Ele teve o apoio total do técnico Mano Menezes, que aponta a falta de condição plena do jogador."Ele [Acosta] é um jogador que está aquém do que esperamos, talvez tenha sido vaiado porque o torcedor esperava uma conclusão melhor das jogadas. Mas um jogador como ele tem de estar preparado, quando veio para cá sabia da responsabilidade", dizJá o autor do outro gol, André Santos, demonstrou tranqüilidade. Ele contou que o gol que fez foi dedicado à namorada - por isso beijou a aliança na comemoração. Mas o que importava era a vitória. "Sem dúvida estou aliviado com este primeiro gol. É muito importante fazer um gol pelo Corinthians, todo começo de temporada é difícil, mas pude ajudar a equipe a vencer".AVALIAÇÃO POSITIVASobre o desempenho do time no jogo contra o Paulista, o técnico Mano Menezes reforçou sua cautela. O time foi bem, mas ainda está longe do ideal. "Jogamos bem, corremos muito com a bola, tivemos a chance de fazer jogadas com mais qualidade e não fizemos, talvez porque faltou este equilíbrio emocional, mais calma. Quando tivemos espaço, o time pareceu um pouco afobado, mas está dentro da margem. Venceu porque, depois de quando fizemos o gol, corremos pouco risco", opina.O lateral-esquerdo Everton Ribeiro, que teve um desempenho bastante elogiado, preferiu aplaudir os companheiros. "Foi tranqüilo o jogo, os jogadores ajudaram bastante. E eu ainda consegui dar o passe para o André marcar o gol. Está ótimo."Quem manteve a cautela no discurso foi o meia-atacante Dentinho. Sua auto-avaliação sobre o primeiro jogo como titular do time - a pedidos da torcida pelo bom desempenho - foi criteriosa. "Eu me dou uma nota 7. Ainda tenho muito o que melhorar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.