Acosta é a aposta de Mano Menezes para fim de jejum de gols

Uruguaio tem suas reclamações atendidas e joga mais avançado contra o Grêmio Barueri, nesta quarta

Vítor Marques, Jornal da Tarde

05 de fevereiro de 2008 | 21h19

O caminho para o Corinthians reencontrar a vitória e fazer as pazes com o gol contra o Grêmio Barueri, nesta quarta-feira à noite, passa pelos pés do uruguaio Acosta, principal contratação do time, que irá a atuar como atacante e não como meia.   Veja também:  Técnico Mano Menezes defende ataque corintiano   Com a ausência de Finazzi, que está contundido, o técnico Mano Menezes redesenhou a equipe para a partida das 21h45, na Arena Barueri - com acompanhamento online do estadao.com.br. A principal mudança está em relação ao posicionamento de Acosta, que será o último homem do ataque.   "Ele não é um meia, todos nós já percebemos isso. O Acosta é um goleador, que tem liberdade para jogar e se aproximar um pouco mais dos atacantes", afirma o treinador corintiano, que escalará Dentinho ao lado do uruguaio.   Quando questionado por jornalistas sobre em que posição prefere atuar, Acosta diz que gostaria jogar mais próximo ao gol. O treinador, entretanto, afirmou que o uruguaio não soube se expressão por causa do idioma.   "Acosta já disse que gosta de jogar mais recuado. Acosta disse que gosta de jogar mais perto do gol. Acosta já disse que gosta de se movimentar mais. Ele tem dificuldade de entender as perguntas dos jornalistas e está fazendo um pouco de confusão", afirma Mano Menezes, encerrando o assunto: "Ele tem dificuldade na armação."   Em um ponto, porém, técnico e atleta concordam: Acosta está jogando menos do que pode. "Jogador sabe quando joga bem ou mal. Não gosto da maneira como estou jogando. O torcedor xinga e tenho de entender, porque fui contratado para fazer gol", afirmou o uruguaio, autor de 19 gols pelo Náutico no Brasileirão.FALTA DE SORTEO Corinthians não faz gols há três partidas - todos empates em 0 a 0 - e seu ataque está entre os quatro piores do campeonato, com seis gols. A 'seca' de gols, segundo o treinador e os próprios jogadores, tem aumentado a pressão sobre o time. "Atacante que não faz gol morre de fome. Vamos tentar acabar com esse jejum", diz Dentinho, que credita a escassez de gol à falta de sorte. "Contra o Mirassol, o zagueiro tirou uma bola minha em cima da linha. Com o Acosta, foi o goleiro quem defendeu."  Grêmio Barueri Renê; Marcos Pimentel, Ávalos, Duílio e Guigov; Amaral, Rodrigo Pontes, Flávio e Júlio César; Alberto e Pedrão Técnico: Gelson Silva  Corinthians Felipe; Fabinho, Suárez e William; Coelho, Perdigão, Bruno Octávio, Lulinha e André Santos; Dentinho e Acosta Técnico: Mano Menezes Árbitro: Marcelo Prieto AlfieriEstádio: Arena Barueri, em Barueri (SP)Horário: 21h45TV: Globo e BandRádio: Eldorado/ESPN - AM 700   Na armação das jogadas, Dentinho espera reviver dupla com Lulinha - cotado para entrar no lugar de Alessandro, que se recupera de uma virose e depende do aval do departamento médico.   Outra provável alteração em relação à equipe que empatou com o Mirassol é a entrada de um terceiro defensor. O volante Fabinho será recuado para atuar como zagueiro pelo lado direito do campo. "Já atuei assim e não vejo problema", disse Fabinho, que pode formar o trio de zagueiros com William e Suárez (que ainda não estreou). O titular Chicão está suspenso pelo terceiro cartão amarelo.   No meio-de-campo, o técnico confirma o retorno do volante Perdigão, que cumpriu suspensão no último sábado.   Após a partida desta noite, o Corinthians retorna a Itu, onde ficará treinando para a partida deste domingo contra o Ituano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.