Acosta: 'Quando vi que tinha marcado, fiquei louco, louco'

Uruguaio conta a emoção pelo gol que garantiu a vitória do Corinthians sobre a Ponte Preta neste domingo

Cosme Rímoli, Jornal da Tarde

24 de fevereiro de 2008 | 20h25

Se a torcida festejou o gol que deu a vitória ao Corinthians, ela se livrou de ver Acosta dançando cumbia - aquela dança que acompanhava o argentino Tevez em sua passagem pelo time do Parque São Jorge. "Eu havia combinado com o André Santos e o Lulinha que a gente ia dançar cumbia uruguaia para comemorar o meu gol. Mas fiquei louco quando vi que tinha marcado. Fiquei louco, louco. Esqueci deles e só queria comemorar com a torcida. No meu próximo gol a gente vai dançar."Veja também: Corinthians, com gol de Acosta, bate a Ponte e é 4.º colocadoA confiança está voltando mesmo ao atacante corintiano, que não balançava as redes há oito jogos. Antes ele não teria coragem de falar sobre o ‘próximo gol’. "O Acosta estava precisando de uma partida dessas. Ele é artilheiro e teve de enfrentar muita cobrança ao chegar ao Corinthians", admitiu o técnico Mano Menezes. "Ele está até perdoado por ter tomado o cartão amarelo depois de ter marcado. Não vai poder jogar contra o Palmeiras, mas sei que ele está confiante para jogar o que sabe. Isso é o que importa."O uruguaio lamentou o cartão recebido. "Não dei pontapés em ninguém. As pessoas precisam entender que muitas vezes o jogador não tem como segurar a alegria de um gol. Mas quer saber? Valeu a pena. Foi maravilhoso subir no alambrado e ver a torcida gritando feliz o meu nome", comemorou Acosta.Em relação a uma disputa inusitada, com Carlitos Tevez, Acosta não se intimida. "Sei que ele dançava cumbia e a torcida adorava. A cumbia dele é argentina, diferente da uruguaia", disse. "Tenho certeza de que os torcedores vão gostar muito também da minha. E vocês (da imprensa) vão poder avaliar quem dança melhor. Eu acho que não vou decepcionar", falou o sorridente atacante.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansAcostaPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.