Jack Guez/AFP
Jack Guez/AFP

'Acreditamos que chegou a nossa hora', diz técnico de Portugal

Fernando Santos prega respeito, mas diz que acredita que sua equipe pode vencer a partida diante da única seleção que ainda não sofreu gols neste Mundial

Marcio Dolzan, enviado especial/Sochi, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 15h10

Atual campeã europeia, a seleção de Portugal acredita que ainda pode ir longe nesta Copa do Mundo e aposta em vitória sobre o Uruguai neste sábado, quando as duas equipes se enfrentam em Sochi, às 15 horas (de Brasília), pelas oitavas de final. Apesar de pregar "muito respeito" aos uruguaios, o técnico português Fernando Santos disse nesta sexta-feira que acredita que sua equipe pode vencer a partida diante da única seleção que ainda não sofreu gols neste Mundial.

+ A pedido da Fifa, Uruguai e Portugal não treinam em local do jogo

+ Com desgaste muscular, William Carvalho é poupado de treino da seleção portuguesa

+ Com dores musculares, Guerreiro e Martins desfalcam Portugal em treino

A seleção de Portugal teve atuações irregulares até aqui no Mundial, com dois empates e uma vitória magra por 1 a 0 sobre o Marrocos. Ao mesmo tempo, o time está invicto há 17 jogos. O técnico Fernando Santos reconhece os números, mas diz que as estatísticas devem ficar em segundo plano.

"Acreditamos que chegou a nossa hora, mas o Uruguai também acredita que é a sua hora. Eles já foram duas vezes campeões do mundo. Esses dados estatísticos não valem mais do que isso. O que acontecer no jogo é que vai ser importante, e o que espero da minha equipe é que é preciso trabalhar e pôr em campo todas as nossas capacidades. Vamos com confiança, mas com respeito pelo adversário", disse o treinador.

Santos disse em pelo menos três momentos que acredita que a seleção de Portugal chegará às quartas de final, mas em todas elas fez a ressalva de que respeita muito o Uruguai e que reconhece todas as suas virtudes. A principal delas, na sua opinião, é a qualidade do time como um todo.

 

"A maior virtude do Uruguai é a equipe do Uruguai. Tem o treinador mais antigo à frente das seleções, com 12 anos, de grande qualidade. Um Uruguai que em 2018 ainda não sofreu gols, mas que também é uma equipe muito forte em vários setores. Quando procuramos estudar o time, não encontramos fraquezas", elogiou. "Mas dentro dessa fortaleza, como em todas as equipes, há sempre alguma coisa que podemos explorar. É nisso que temos de pensar, naquilo que nós podemos fazer."

Durante a coletiva de imprensa, a pergunta (inevitável) sobre o quanto o time depende de Cristiano Ronaldo foi feita por um repórter inglês. Antes de responder, o técnico sorriu. "Apostei um café com ele de que fariam esta pergunta", divertiu-se. "Percebo e respeito a pergunta. Portugal, e qualquer equipe, depende sempre dos melhores jogadores. Temos o melhor do mundo - eu o considero o melhor do mundo - e é claro que dependemos de Ronaldo. O Uruguai também depende de Suárez e Cavani", ressaltou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.