Acusações do Palmeiras motivam São Gabriel

Os incidentes da primeira partida, disputada no RioGrande do Sul, viraram um importante componente de motivação para osjogadores do São Gabriel que enfrentam o Palmeiras em São Paulo, nesta quarta-feira, pela Copa do Brasil, precisando de um empate para avançar à próximafase. O presidente do clube, Roque Oscar Hermes, destacou que a equipenão esqueceu que foi acusada de violenta por jogadores do Palmeiras.?Vamos mostrar que as coisas não aconteceram como eles disseram numatentativa de tirar o mérito de nossa vitória (2 a 1) e justificar aderrota deles?, afirmou, antes da viagem à capital paulista.Hermes reconhece que a classificação é um sonho que tem poucas chancesde virar realidade. Mas faz uma advertência. ?Se nos encararemnovamente com o mesmo salto alto e menosprezo que encararam em SãoGabriel, se pensam que vamos tremer porque é no Parque Antárctica,estão enganados?, discursa.O técnico Jorge Anadon se considera injustiçado por ter sido expulsono primeiro jogo e suspenso por 45 dias e vai transmitir essesentimento aos jogadores. Sem poder ficar no banco, ele passaráinstruções ao auxiliar Salomão Rodrigues. A postura do time, promete Anadon, será a de um franco-atirador. ?Eu não tenho nada a perder?, ressalta. ?Mas se eu esperar o Palmeiras, eles me empurram para dentro do meu gol.? Apesar das palavras, o time terá três volantes e nenhumarmador do meio-campo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.