Andrew Couldridge / Reuters
Andrew Couldridge / Reuters

Acusado de agressão a mulheres Giggs é demitido da seleção do País de Gales

Ex-jogador do Manchester United vai ser ouvido na próxima semana pela procuradoria da corte britânica

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2021 | 16h25

O ex-jogador e ídolo do Manchester United, Ryan Giggs, de 47 anos, que responde a um processo de agressão a duas mulheres, foi dispensado do cargo de treinador da seleção de País de Gales. A acusação formal da polícia de Manchester foi determinante para a queda do ex-atleta. Sua imagem já estava desgastada desde que o caso de agressão veio à tona em novembro do ano passado.

A Associação de futebol local emitiu uma nota comunicando a saída e já definiu o seu substituto. O auxiliar Robert Page, que trabalhou  na função de interino nos últimos compromissos da seleção, vai ocupar o seu lugar na Eurocopa.

  País de Gales está no Grupo A e têm como adversários a Itália, a Turquia e a Suíça. A estreia está marcada para o dia 12 de junho contra os suíços. Quatro dias depois os galeses encaram a seleção turca e encerram a fase de grupos diante da Azzurra, no dia 20.  

Giggs vai ser ouvido no tribunal na próxima quarta-feira (28) de acordo com a procuradoria da coroa britânica. Além da acusação de assédio, outra queixa que pesa contra ele é a de comportamento coercitivo. Uma das mulheres agredidas é namorada do ex-atleta. 

Apesar de ter negado o ato, o então treinador da seleção de Gales acabou afastado, e não comandou a equipe em alguns amistosos de preparação.

Jogador de temperamento explosivo, Ryan Giggs defendeu somente o Manchester United durante a carreira. Lá ele fez história e atingiu marcas importantes. Vestiu a camisa do clube por 1027 vezes e marcou 181 gols. É um dos atletas com mais títulos na Inglaterra e esteve em campo na final do Mundial de Clubes de 1999, quando sua equipe conquistou o título do torneio após vencer o Palmeiras de Luiz Felipe Scolari por 1 a 0.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.