Acusado de corrupção, Sérgio Corrêa entrará com processo contra árbitro

Para CBF, as acusações feitas por Gutemberg de Paula Fonseca foram 'absurdas e levianas'

AE, Agência Estado

08 de janeiro de 2012 | 14h38

RIO - O presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, vai processar o árbitro Gutemberg de Paula Fonseca por conta das acusações feitas na última sexta-feira. Após ser afastado do quadro de árbitros da Fifa, Gutemberg levantou suspeitas de corrupção nas arbitragem do País ao declarar que Sérgio Corrêa intimidava árbitros assim que eram escalados para as partidas

Na nota publicada no seu site oficial, a CBF avalia as acusações como "absurdas e levianas". Por conta disso, segundo a confederação, Sérgio Corrêa vai processar Gutemberg nas esferas esportiva, cível e criminal. As ações judiciais serão abertas na segunda-feira.

"Em face da gravidade do assunto, pelo completo descabimento das acusações, Sérgio Corrêa entrará na segunda-feira com ações judiciais contra o ex-árbitro nas esferas desportiva (STJD, ofensa moral), cível (responsabilidade civil para obtenção de reparo pecuniário por dano moral) e criminal (crime de injúria)", afirma a CBF.

Gutemberg declarou, em entrevista à Rádio Jovem Pan, que nos últimos anos Sérgio Corrêa exigia que os árbitros escalados para jogos do Campeonato Brasileiro entrassem em contato com ele antes da realização das partidas. Essa iniciativa serviria para que os árbitros recebessem recomendações do presidente da Comissão de Arbitragem.

De acordo com Gutemberg, em pelo menos um jogo, apitado por ele em 2010, ficou claro o recado para que houvesse boa vontade com o Corinthians. Ele garantiu ter provas contra o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF e sugeriu que seu afastamento do quadro da Fifa aconteceu depois que ele decidiu não telefonar mais para Sérgio Corrêa para ouvir recomendações antes dos jogos. Na mesma entrevista, o árbitro, de 38 anos, também anunciou que está abandonando a carreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.