Gonzalo Fuentes / Reuters
Gonzalo Fuentes / Reuters

Acusado de racismo por Neymar, zagueiro revela ameaças e diz ter ficado um mês sem sair de casa

Álvaro González afirma ter recebido 2 milhões de mensagens em seu celular, que agora está nas mãos da polícia

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 11h10

O zagueiro do Olympique de Marselha Álvaro González, acusado de rascismo por Neymar, disse que o brasileiro não merece seu respeito. Isso porque as investigações concluíram que não houve provas convincentes que validassem a acusação do jogador do Paris Saint-Germain, que teria sido chamado de "macaco" pelo defensor.

“Foi uma grande mentira. Todos os juízes saíram em minha defesa. Alguém como ele não merece meu respeito. Seria mais fácil para nós dois se conversássemos e resolvêssemos o problema. Ele não me procurou. Ainda bem que a justiça foi feita”, disse o defensor, à rádio espanhola Onda Cero.

González alegou ter recebido ameaças de morte. Não somente ele, mas seus familiares também. O jogador revelou que ficou um mês sem sair de casa por causa disso. "Eu e minha família recebemos ameaças de morte. Minha mãe tem uma loja e recebeu mensagens por lá. Ver fotos do meu carro sendo postadas nas redes me assustou. Eu não sai de casa em um mês”, contou o zagueiro, que ainda acrescentou: “Eu não sei quem vazou meu celular, mas eu tinha duas milhões de mensagens no WhatsApp quando eu pousei em Marselha. A cada noite que ia dormir, quando acordava na manhã seguinte, eram 20 mil mensagens.”

O zagueiro do Olympique disse como respondeu às provocações de Neymar durante a partida. Na ocasião, o brasileiro teria dito que ganha mais em um dia do que González ganha em um ano. “Provavelmente é verdade, mas isso não me incomoda. Eu disse a ele que tinha muita sorte com o que eu tenho”, revelou o defensor que ainda afirmou ser mais inteligente que o atacante parisiense.

“Desde o primeiro minuto que ele fez uma falta, ele começou a me provocar, mas não me afetou. Eu acho que sou mais inteligente do que ele e foi por isso que ganhamos a batalha. Desde que comecei minha carreira no Racing (Santander), tive muitas derrotas, e eu sei como digeri-las”, concluiu González. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.