Saeed Khan/AFP
Saeed Khan/AFP

Acusados pela morte de Maradona serão investigados por 'assassinato com intenção eventual'

Neurocirurgião Leopoldo Luque e a psiquiatra Agustina Cosachov estão entre os acusados

Redação, Estadão Conteúdo

19 de maio de 2021 | 21h13

As sete pessoas acusadas pela morte de Diego Maradona foram intimadas, nesta quarta-feira, a uma instrução de investigação por suposto "assassinato com intenção eventual", crime que inclui de 8 a 25 anos de prisão. Entre os acusados estão o neurocirurgião Leopoldo Luque e a psiquiatra Agustina Cosachov.

A Procuradoria-Geral da República de San Isidro (periferia norte de Buenos Aires), a cargo do caso, mudou a capa de homicídio culposo (involuntário) para homicídio simples com fraude eventual (quando a pessoa não pode ignorar as consequências de suas ações), seundo fonte informou à France Presse.

"Depois de tantas injustiças, o círculo se fecha para onde vai a causa e o mais forte é a mudança da página de rosto, que é simples homicídio com eventual fraude”, disse à AFP uma pessoa próxima à causa. Diego Maradona morreu no dia 25 de novembro, aos 60 anos, em uma casa alugada em um bairro privado ao norte de Buenos Aires, onde se recuperava de uma operação por causa de um hematoma na cabeça.

No fim do mes passado, um relatório, feito por uma junta médica formada por 20 profissionais, concluiu que o capitão da seleção argentina campeã do mundo no México em 1986 "teria mais chance de sobrevivência" se tivesse tido uma internação adequada e em um centro de saúde polivalente. "Levando em conta o quadro clínico, clínico-psiquiátrico e o mal estado geral, deveria ter continuado a sua reabilitação e tratamento interdisciplinar em uma instituição adequada", insistiu a junta.

Os especialistas indicaram que Maradona "não estava em pleno uso de suas faculdades mentais, nem em condições de tomar decisões sobre sua saúde" no momento em que deixou a clínica de Olivos, onde havia sido submetido a uma cirurgia na cabeça. Nos dias anteriores, o ex-astro do Napoli e do Barcelona havia insistido em deixar a clínica e se recusado a ser encaminhado para outro centro de saúde, segundo o seu médico pessoal, Leopoldo Luque, um dos investigados. 

Entre as conclusões, a banca sustenta que "foram ignorados os sinais de risco de vida que apresentava" e os cuidados de enfermagem nestas últimas semanas "estão repletos de deficiências e irregularidades" e com falta de exames.

"A equipe médica assistencial representou plena e cabalmente a possibilidade do desfecho fatal em relação ao paciente, sendo absolutamente indiferente a essa questão, não modificando suas condutas e plano médico/assistencial traçado, mantendo as omissões prejudiciais acima mencionadas, abandonando 'à própria sorte o estado de saúde do paciente', acusam os peritos no relatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.