Andrew Yates|Reuters
Andrew Yates|Reuters

Adam Johnson apela contra sentença de seis anos de prisão

O jogador foi condenado por atividade sexual com menor.

Estadão Conteúdo

12 de abril de 2016 | 14h22

O meia-atacante Adam Johnson, com passagem pela seleção da Inglaterra, recorreu da sua sentença de seis anos de prisão a que ele foi condenado por ter mantido relações sexuais com uma garota menor de idade no dia 24 de março.

A corte de Bradford explicou que o recurso foi apresentado no tribunal de apelações de Londres. A ação também foi confirmada na página na rede social Facebook mantida pela irmã do jogador para defendê-lo, chamada "Adam Johnson''s Appeal Fight".

Duante o julgamento inicial, o próprio Adam Johnson admitiu ser culpado de uma das acusações de relação sexual com a garota e outra de aliciamento - criar uma conexão emocional com a vítima para ganhar sua confiança em busca de benefícios sexuais.

Segundo a Justiça inglesa, o meia-atacante conheceu a garota de 15 anos no início do ano passado, quando sua esposa estava grávida, durante uma sessão de autógrafos. A jovem admitiu o contato e garantiu que realizou atividades sexuais com o jogador, que poderia ter pego uma pena de até dez anos.

Diante da repercussão do caso, Johnson acabou demitido do Sunderland em fevereiro, após admitir publicamente seu envolvimento com a garota. A CEO do clube, Margaret Byrne, renunciou ao cargo posteriormente depois de reconhecer que errou ao permitir que o jogador seguisse atuando mesmo já sabendo que ele havia estabelecido relações com a menor.

Revelado pelo Middlesbrough, Adam Johnson foi emprestado ao Leeds e ao Watford antes de chegar ao Manchester City em 2010. Em três anos no clube, viveu sua melhor fase, chegando a ser convocado em 12 oportunidades para a seleção inglesa.

A concorrência, no entanto, fez com que ele se transferisse para o Sunderland em 2013, onde estava até o mês passado. Nesta temporada, o jogador sofreu com lesões e, por isso, disputou somente quatro partidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.